Ordo Templi Orientis
Ordo Novi Templi
Fraternitas Saturni
Karl Germer
Theodor Reuss
Aleister Crowley
Hanns Heinz Ewers
Arnoldo Krumm–Heller
Martha Kuentzel
Friedrich Lekve
Hermann Joseph Metzger
Lanz von Liebenfels
Mathilde Ludendorff
Herbert von Bomsdorff–Bergen
Gregor Schwarz–Bostunich
Jean Paar / S. Ipares
Ernst Issberner–Haldane
Christian Bouchet
Paolo Fogagnolo
James Wasserman

O Ambiente do Reich dos Templários
Os Escravos Servirão

Peter–Robert Koenig, 2006 / 2022.




Os Escravos Servirão - Aleister Crowley - Equinox - O Ambiente do Reich dos Templários




Aleister Crowley poderia ser considerado um oportunista político fazendo amizade com qualquer pessoa em qualquer lugar e administrando os negócios de sua religião (Thelema) para seu divertimento privado. No entanto, quanto mais ele falhava em suas ambições políticas e em seus esforços utópicos, mais ele se exibia como o fundador de uma religião.

Crowley atraiu fanáticos de todas as esferas da vida. Ele era um presunçoso (não apenas em relação às suas opiniões políticas), que montou uma religião para os que se consideravam à margem da sociedade. Seria difícil considerar essa religião como filantrópica ou democrática. Thelema sempre aspira a se tornar uma religião de estado, não importa qual estado, isto é, seu fundador tentou se insinuar com sua religião para qualquer coisa semelhante a um estado, não importa o quão totalitário ou radical ela fosse. Para ele, a questão principal era a presença de um elemento anticristão. O surpreendente desses esforços é que Thelema e a Ordo Templi Orientis (O.T.O.) não queriam substituir o cristianismo, mas devolvê-lo à sua condição original. Assim, Crowley escreveu em 1944, inteiramente de acordo com as linhas de Theodor Reuss, que era tarefa da O.T.O. "para restaurar o cristianismo ao seu status real de religião solar-fálica".

No entanto, não se deve desconsiderar a clientela multifacetada atraída por este tema. Nem se deve desprezar o anti-semitismo de Crowley e outros traços embaraçosos a fim de torná-lo palatável para a academia e o mainstream.

Sobre a Missa da Fênix, Liber Nu, Liber Had, Liber Astarte, Liber Thisharb, Liber VII, X, LVX, XC, CCXXXI: o "Journal of Thelemic Studies" da O.T.O., 1; 2, 2008, http://thelemicstudies.com/JoTS1-2.pdf, página 40: "A razão pela qual esses aspectos de Thelema são omitidos indica o problema real em apresentar Thelema como uma religião e tentar fazer com que Thelema seja sancionada pelo governo ou aprovada pelo público: Thelema está, em última análise, em contraste e é transgressora da sociedade normativa. Thelema rejeita a moral e valores da sociedade normativa e atos para transgredir e violar essas normas. Da inclusão de intoxicantes no ritual, à visão positiva da sexualidade, que frequentemente é vista como promotora da promiscuidade, aos aspectos pró-autoritários e nietzschianos de Thelema, a sociedade normativa tem muito a rejeitar em Thelema e, inversamente, Thelema encoraja seus adeptos a rejeitar a maioria dos aspectos da sociedade normativa."

Este escritor não afirma que Crowley, Thelema ou a O.T.O. sejam fascistas ou nazistas: Crowley também tinha conexões com personagens comunistas. Sua veia totalitária pode se misturar com a "direita" ou a "esquerda", e tanto "direita" quanto "esquerda", se levadas aos extremos, beiram as sombras do totalitário. Nesse sentido, pode-se chamá-lo de fascista, mas também podemos chamá-lo de comunista, e ele não era nenhum dos dois, em última análise. No entanto, é óbvio que alguns elementos misantrópicos podem ser encontrados na biografia de Crowley, no conceito de Thelema e nas instruções para membros da O.T.O. e seu ambiente. Vamos nos concentrar nos exemplos e protagonistas mais evidentes. E quem mais pode ser encontrado neste meio: os racistas ocultistas. E os modelos de representação.

Uma leitura obrigatória para os interessados no assunto é Marco Pasi, "Aleister Crowley und die Versuchung der Politik" (Graz 2006). Original: "Aleister Crowley e la tentazione della politica" (Mailand 1999). Este artigo online deixa deliberadamente de fora os tópicos discutidos no trabalho de Pasi e é mais uma coleção adicional de documentos do que uma discussão aprofundada do tópico.

Leia também Richard B. Spence: "Agente secreto 666" (WA 2008)


A inclinação política das Ordens e de seus membros

Organizações ocultistas são freqüentemente confrontadas com a reprovação de acalentar idéias extremistas de direita; não menos por causa da distinção de Aleister Crowley entre humanos "comuns" que são comparados aos cães - e que servem - e uma classe superior de deuses humanos, que governam os cães [Liber AL].

A ideia de Crowley de 1937 da utilização comercial da suástica em xícaras de porcelana e sua sugestão de discutir Thelema “como a base para a nova ordem nazista” [entrada no diário datada de 5 de maio de 1936] indicam a suposição de uma convicção totalitária por Crowley.

Rolf Steinberg, Nazi-Kitsch, Darmstadt 1975, Swastika, coffee mug, porcelain cup

Rolf Steinberg: "Nazi-Kitsch", Darmstadt 1975.


Por outro lado, após a tomada do poder pelos nacional-socialistas, mais de duas dúzias de organizações do tipo Loja, incluindo grupos ocultistas, foram proibidas. O decreto do SS Reichsführer que circulou em 1937 foi a conclusão política da propaganda nazista contra os maçons e organizações semelhantes. A Gestapo recebeu a ordem de dissolver todos os grupos proibidos que eles ainda não tivessem atacado.


Lista de organizações proibidas
De acordo com o decreto ministerial de 07 de dezembro de 1936

Lista de organizações proibidas 1936 Lista de organizações proibidas 1936

[Retirado de: In Nomine Demiurgi Saturni, München 1998, 58.]



Freimaurerlogen

  • Symbolische Grossloge von Deutschland, nebst Tochterlogen
  • Freimaurerbund zur Aufgehenden Sonne, Hamburg, nebst Tochterlogen
  • Grossloge zur Sonne, Bayreuth, nebst Tochterlogen
  • Grosse Freimaurerloge zur Eintracht, Darmstadt, nebst Tochterlogen
  • Grosse Mutterloge des Eklektischen Freimaurerbundes, nebst Tochterlogen
  • Grossloge von Hamburg, nebst Tochterlogen
  • Deutsch Christlicher Orden Sachsen, Dresden, nebst Tochterlogen
  • Deutsch Christlicher Orden deutscher Dom, Leipzig, nebst Tochterlogen
  • Grosse Nationalmutterloge zu den 3 Weltkugeln, Berlin, nebst Tochterlogen
  • Grossloge von Preussen, genannt zur Freundschaft, Berlin, nebst Tochterlogen

Freimaurerähnliche Organisationen

  • Odd–Fellow–Orden
  • Druiden–Orden
  • Rechabiten–Orden [?]
  • Grossloge "Le Droit Humain" (Co–Freimaurerei)
  • Internationale Arbeiter–Freimaurerloge
  • Arbeiter–Freimaurerbund
  • Die Finniere am Offenen Tempel, Winkelloge in Leipzig
  • Loge der Schaffenden "Colonis" e.V.
  • Orden der Ritter vom Heiligen Gral, Berlin, Frankfurt am Main
  • Anthroposophische Gesellschaft
  • Mazdaznan–Bewegung
  • Ebdar (Ermächtigte Bruderschaft der alten Riten), Orden vom Heiligen Gral im Orient von Patmos — Organisation Bo Yin Ra
  • Orientalischer Templer–Orden (O.T.O.)
  • Fraternitas Saturni (einschliesslich Esoterische Studiengesellschaft)
  • Illuminaten–Orden (gegründet 1896)
  • Orion–Bund (Adonistische Sekte Dr. Musallam Sättler)
  • Rosenkreuzer–Gesellschaft in Deutschland
  • Grals–Orden (*norusnin–Sekte) [Unleserlich. Siehe Scan]
  • Grossloge "Wahrer Weg", Hannover, und "Weg zum Licht", Magdeburg, Spiritistische Logen
  • Summum Supremum Sanktuarium des Alten Schottischen Ritus der Freimaurerei in Deutschland
  • Swedenborg–Ritus der Freimaurerei
  • Orientalischer Templer Orden
  • Hermetischer Orden der Goldenen Dämmerung
  • Misraim–Ritus 90°
  • Orientalischer Memphis–Ritus 97°
  • Alter und angenommener Ritus von Heredom
  • Hermetische Bruderschaft des Lichtes
  • Fraternitas Rosae Crucis
  • Neue Gnostische Kirche
  • Neuer Illuminat
  • Allgemeine Pansophische Schule
  • Pansophische Societät

Korporative Zusammenschlüsse

  • Verein Deutscher Freimaurer, Leipzig
  • Freimaurerische Vereinigung "Rat und Tat" in Frankfurt a.M.
  • Freimaurerische Jugendvereinigung "Gefolgschaft der Georgsknappen" in Dresden

Ferner

  • Deutsche Friedensgesellschaft
  • Paneuropäische Union Deutschland e.V.

Am 28.6.1937 ferner verboten

  • Bund Deutsche Schlaraffia e.V.



Logo, os Adeptos do Atlântico (Mestre Therion) se juntariam a esses grupos.

O decreto da SS foi provavelmente a cortina de fechamento do drama maçônico alemão. Antes disso, as Lojas foram solicitadas a se dissolverem. Aqueles que resistiram foram finalmente proibidos em 1937.

Eugen Grosche, fundador da Fraternitas Saturni, fugiu dos nazistas para a Suíça e Karl Germer, o melhor amigo de Crowley, caiu em um campo de concentração.


Karl Johannes Germer



Devemos interpretar esses eventos como uma exoneração das Ordens ocultas da acusação de fascismo? Certamente, a estadia de Karl Germer em um campo de concentração é alegremente usada como uma folha de figueira, a fim de enfrentar as acusações de tendências fascistas na O.T.O.



[Facsimile em "Materialien zum O.T.O.", München 1994, 45.]


13. Fevereiro 1935: "Sie haben durch die ständige Verbindung mit dem im Ausland lebenden Hochgradfreimaurer Crowley dessen staatsfeindlichen Umtriebe unterstützt und durch die Verbreitung seiner Lehre versucht, in Deutschland Anhänger für ihn zu werben."

"Você apoiou as atividades subversivas do maçom Crowley, agora vivendo no exterior, mantendo contato consistente; e espalhando seus ensinamentos, você tentou recrutar discípulos para ele na Alemanha."


Germer acreditava que sua prisão seria vista em conexão com os artigos do "Judenkenner" [“O Connoissseur dos Judeus”]. [ver abaixo].
Mais sobre o auto-retrato de Germer.


No entanto, os documentos do FBI sobre Germer relatam que ele supostamente falou sobre a Raça Superior.

Karl Germer FBI Raça Superior Karl Germer FBI Raça Superior Karl Germer FBI Raça Superior

"O informante informou que o sujeito afirmou ser da opinião de que HITLER está certo em acreditar que os alemães são a "Raça Superior". A fala do sujeito é acusada de propaganda nazista violenta."
*** que ele sempre ouviu falar de ALEISTER CROWLEY ser consultado por HITLER sobre sua "Magia Negra" e ele sempre ouviu GERMER afirmar que ele, GERMER, acredita na ideologia de HITLER na medida em que ele também acredita que o Os Alemães são uma "Raça Superior".
Fiquei preocupado porque sua fala é propaganda nazista violenta."



O fato de alguém ter caído em um campo de concentração não livra necessariamente a pessoa de uma visão de mundo fascista. Muitos Ariósofos e anti-semitas foram proibidos pelos nazistas, como Lanz de Liebenfels, por exemplo, que afetou Adolf Hitler com seus escritos. Os nazistas consideravam as Ordens ocultas muito quixotescas, muito não-alemãs. Em 1933, Mathilde Ludendorff, uma fervorosa defensora da voelkisch Weltanschauung viu a O.T.O. como um ninho de procriação para "Irresein durch Occultlehren" (a estranha expressão alemã traduz-se vagamente como "Psicose por meio de ensinamentos ocultos" no sentido de tornar-se psicótico realizando práticas ocultas. O que é totalmente contrário ao que eu próprio acredito. Veja "Satan — Jünger, Jäger und Justiz").


Thelema

No entanto, antes de anexarmos os rótulos “totalitário” ou “fascista” aos Crowleyistas, devemos delinear as principais características da visão de mundo Thelêmica.

Muitos Thelemitas se consideram agentes divinos, agindo por uma "Verdadeira Vontade" - enquanto os não-Thelemitas são meros 'objetos' - como indicado na frase de Crowley, "os escravos servirão." Os “escravos que devem servir” são todos e cada um que vive (segundo a cosmovisão Thelêmica) na dependência: dependentes/subordinados, viciados, fracos - em outras palavras: os escravos. Da mesma forma, Grosche falou de "coisas, objetos, materiais".

Em termos ocultos, o Thelemita é um dicotomista, se vendo como um ser superior ou um 'escolhido', enquanto todos os outros são como nada. Esse tipo de Thelemita (certamente, há exceções à regra) vive em um mundo governado pelo bem e pelo mal; é claro, como um ser superior, esses Thelemitas podem atingir um nível acima disso (a “travessia do Abismo”) - mas, apesar disso, o mundo abaixo do abismo é apenas preto e branco. Thelemitas estão presos em tais relacionamentos; todos são vítimas e culpados, senhores e escravos, deuses e sub-humanos. E isso se reflete em sua linguagem quando eles descrevem seus críticos, ex-membros, as igrejas (Cristãs), o governo, a administração ou quem quer que sejam.

Isso é contraditório com a auto-representação de Thelema vendida ao público a partir do qual novos membros devem ser cooptados.

Não apenas a ideologia religioso-filosófica Thelêmica é totalitária, mas também a atitude emocional, as concepções de valor, as opiniões sobre ser escolhido, as identificações de papéis, o destino injusto projetado dos Thelemitas e a suposição da predominância justificada sobre os não Thelemitas são derivados de todas essas considerações. Visto politicamente, isso se expressa em todas as orientações políticas resultantes de uma perspectiva antidemocrática.


Aleister Crowley

Junto com Crowley, Theodor Reuss, o fundador da O.T.O., publicou propaganda pró-alemã durante a Primeira Guerra Mundial. Esse fato está suficientemente documentado.

Para ver o contexto desses supostos Satanistas de Salão politicamente interessados, recomendo: Wilfried Kugel: “Der Unverbesserliche" [O Irresponsável]. Uma biografia notável sobre Hanns Heinz Ewers. De acordo com Kugel, Ewers entrou em contato com a O.T.O. já em 1906. O livro de Kugel ilumina o pano de fundo em muitos detalhes interessantes, por exemplo, em relação a George Sylvester Viereck.
Crowley foi tão inspirado por Ewers que esperava uma tradução de sua Missa Gnóstica para o alemão por Ewers. Como Crowley, Ewers publicou propaganda pró-alemã na revista “The International”; Reuss posteriormente traduziu um texto de Crowley em sua Revista O.T.O.. E em 1917, a Missa Gnóstica.


É a mesma editora que mais tarde distribuiu panfletos de ódio contra a O.T.O. por Jean Paar.

Theodor Reuss, Aleister Crowley — Das Gesicht Englands

[Retirado de: 'Der Grosse Theodor Reuss Reader', München 1997.]


The International, Aleister Crowley, Hanns Heinz Ewers



Hanns Heinz Ewers

O romance oculto de Ewers, “Vampiro”, é um tratado sobre a sede de sangue, que corta o peito e bebe sangue. Esses motivos são temas bem-vindos para os ocultistas. Além disso, Ewers escreveu roteiros para alguns dos filmes mais conhecidos do expressionismo dos anos 20, por ex. “Der Student von Prag" [Um estudante de Praga]. Ewers escreveu os romances "Alraune", "Das Grauen", "Die Besessenen" [Os possessos], "Horst Wessel" (escrito em nome de Hitler), "Nachtmahr", "Mein Begräbnis", "Vampir", "Zauberlehrling" e uma infinidade de romances ilegíveis de lixo, obras que se encaixam bem na tradição da ficção de Crowley e que antecipam o romance ocultista escorregadio de Eugen Grosche "Exorial".

Hanns Heinz Ewers Vampir Horst Wessel Mein Begräbnis Reiter in Deutscher Nacht Alraune Tannhäuser Geisterseher Nachtmahr Zauberlehrling Ameisen Grauen Kilian Menkels Veränderung

Hanns Heinz Ewers Horst Wessel Ein deutsches Schicksal Cotta'sche Buchhandlung Stuttgart und Berlin 1932

Hanns Heinz Ewers: "Horst Wessel. Ein deutsches Schicksal", Cotta'sche Buchhandlung Stuttgart und Berlin 1932.



O desenvolvimento pessoal e político de Ewers é interessante: em 1931 ele se juntou ao NSDAP, foi banido pelos nazistas em 1934 e subsequentemente apoiou e perseguiu amigos judeus. Pouco antes de sua morte em 1943, ele possibilitou que sua esposa meio judia fugisse para a Tchecoslováquia.


O Terceiro Reich

Aleister Crowley tentou, durante a Segunda Guerra Mundial, insinuar-se com o Serviço Secreto Britânico como um especialista em astrologia e ocultismo, e oferecer sua ajuda no interrogatório de Rudolf Hess. Uma cópia de sua carta existe até hoje. Crowley conheceu pessoalmente Ian Fleming da “Inteligência Naval” (o escritor dos romances de James Bond). Fleming não estava no MI5 nem no MI6, os responsáveis pela captura de Hess. O chefe do MI5 era Sir David Petrie, o chefe do MI6, Stewart Menzies.
Como Crowley conhecia Fleming pessoalmente, ele tentou por meio de Fleming, em vez de Petrie, encontrar Hess.

Aleister Crowley Rudolf Hess Ian Fleming

Rudolf Hess chegou à Escócia em 10 de maio de 1941, noticiado na imprensa popular em 13 de maio.
Aleister Crowley para Ian Fleming, 14 de maio [1941?]



Hess foi preso em Ham Common. Depois de ser interrogado por três semanas pelas autoridades na Torre de Londres, Hess foi transferido e passou o resto da guerra no País de Gales e em Gloucestershire. Ham Common fica entre Richmond e Kingston, no sudoeste de Londres e a sudoeste do Richmond Park. Aqui Crowley supostamente conheceu Rudolf Hess. A fonte da alegação é um guarda contemporâneo; quaisquer outras fontes de confirmação até agora são desconhecidas.

Sobre o pano de fundo da conexão Hess-Crowley, veja também Marco Pasi e Richard B. Spence: "Agente Secreto 666" (WA 2008)


Crowley marcou página após página de "Hitler Speaks" de Hermann Rauschning [este livro de 1939 foi uma fraude de propaganda aliada, mas enganou muitas pessoas, aparentemente Crowley incluso] com seus próprios comentários, "provando" a si mesmo que Hitler havia copiado "Mein Kampf "do próprio“ Livro da Lei ”de Crowley, Liber AL.

Hermann Rauschning, Hitler Speaks, Gespräche mit Hitler, Aleister Crowley


Ele quase certamente recebeu a [suástica] de nós. Eu pessoalmente sugeri isso a Ludendorff em 25 ou 26 [...]

Erich Friedrich Wilhelm Ludendorff (1865-1937) apoiou brevemente Adolf Hitler e o Partido Nazista. Na época em que Crowley supostamente o contatou, Ludendorff era representante do NSFB (uma coalizão do Partido da Liberdade Völkisch alemão e membros do Partido Nazista). Ludendorff concluiu que os problemas do mundo eram resultado de Cristãos, Judeus e Maçons.


Em seus diários, Crowley anotou seus sonhos com Hitler. Em 4 de fevereiro de 1938, ele sonhou “com Hitler e charutos e Magick e meu cavalo Sultan. Eu estava dirigindo a Alemanha para ele”, porque “O fascismo deve sempre falhar porque cria o descontentamento que visa suprimir.” Em 2.6.1939, Crowley sonhou novamente que “Tive várias conversas longas com Hitler. Um homem muito alto. Esqueceu o assunto, mas ficou satisfeito e impressionado: ordenou que todos os meus livros fossem traduzidos e oficializados na Alemanha". Registro no diário de 17 de outubro de 1939:"Hitler relatou morte por excesso de framboesas". Em 24 de janeiro de 1940 Crowley sonhou com Hitler e “Imagens geométricas fálicas, paródias satânicas de diagramas” etc. Em 29 de julho de 1943 Crowley foi ao cinema: “Assistiu ao show de desenhos animados satirizando Mein Kampf, com citações apropriadas. Tiradas nessas doses selecionadas, que obra-prima! E que patente! e uma dívida profunda que ele tem com AL!” Após a guerra, Crowley teve outros pensamentos: “Himmler, o Schweinhund [sic] e pior, que colocou Karl Germer em campos de concentração - principalmente porque ele era meu amigo! - se matou após a captura.” (23 de maio de 1945).

John Symonds The Medusa's Head Mandrake Press London 1991 Aleister Crowley Adolf Hitler Martha Kuentzel

"The Medusa's Head", romance de John Symonds sobre um suposto encontro entre Hitler e Crowley, Thame, Inglaterra, 1991. 350 cópias numeradas apenas.




Democracia

Em 1922, Crowley esperava que Israel tivesse que ser submetido completamente à Lei de Thelema, porque ele, Crowley, o Anticristo, não obstante, era o Messias pelo qual os judeus esperavam. Como esse devaneio se encaixa na alegada Weltanschauung fascista de Crowley?

Crowley parece ter sido um oportunista político, um hipócrita cujo princípio guia era o interesse próprio. Sua principal declaração política pode ser retirada de seu diário de 29 de maio de 1923: "Certamente não sou um anarquista, pois a família é a menor e mais vil unidade de governo: nem um socialista, pois o Estado é o maior e portanto, a unidade menos humana. Suponho então que - com Ethyl ou sem - eu quero um sistema Patriarcal-Feudal dirigido por Reis iniciados."

Em suas publicações, lê-se: "Esta é a doutrina central de Thelema neste assunto. O que devemos entender por ela? Que esse culto imbecil e nauseante da fraqueza - alguns o chamam de democracia - é totalmente falso e vil." [Magick Without Tears, Capítulo 46]
“O princípio da eleição popular é uma loucura fatal; seus resultados são visíveis em toda a dita democracia. O homem eleito é sempre a mediocridade; ele é o homem seguro, o homem são, o homem que desagrada a maioria menos do que qualquer outro; e, portanto, nunca o gênio, o homem de progresso e iluminação." [O.T.O. Uma intimação com referência à Constituição da Ordem]

"Confissões de Aleister Crowley", capítulo 87: "Mas, tanto quanto eu entendo, parece que meu trabalho foi construir um modelo de uma nova civilização para substituir aquilo que vemos diante de nossos olhos cambaleando em direção à catástrofe... Direi apenas que minha ideia principal foi fundar uma comunidade nos princípios do Livro da Lei, para formar um arquétipo de uma nova sociedade. O principal princípio ético é que cada ser humano tem seu próprio objeto definido na vida. Ele tem todo o direito de cumprir este propósito, e nada de fazer qualquer outra coisa. É função da comunidade ajudar cada um de seus membros a alcançar este objetivo; em consequência, todas as regras devem ser feitas e todas as questões de política decididas através da aplicação deste princípio às circunstâncias... [...] cheguei à compreensão, fiz o meu modelo mágico de sociedade, e aguardo o momento em que me convoquem aqueles que me escolheram para levar a cabo a sua concepção colossal para se apresentar perante o mundo e executar seu propósito. Nesse ponto, então, deixo minhas memórias. Minha vida individual acabou para sempre. Sempre foi um mero meio de levar O Livro da Lei para a humanidade."

“O objetivo final é ter Abadias bastante populosas, com todo tipo de talento representado, de modo que haja um corpo de pessoas capazes e inteligentes para governar o rebanho e evitar que os elementos úteis de nossa civilização passada sejam inundados por ela." [Crowley para Frieda Harris, 1941, citado no Catálogo de Samuel Weiser, agosto de 2007.]


Anti-Semitismo e Intolerância Religiosa

Os diários de Crowley estão cheios de explosões anti-semitas e intolerantes. É inútil listar todos eles aqui: são muitos. A título de exemplo, citaremos alguns: "prostituta judia estúpida", "judeu frívolo barato - classe muito baixa", "muito judeu e vampiro", "Envie-nos um Hitler!"
Seus diários mostram essas explosões: "Ele agora me engana apenas um pouco a cada pagamento, como um judeu recortando moeda".
"Eu disse que ele era como um velho judeu recortando moeda. Porco nojento!" "O grande mistério psicológico é como qualquer um pode acreditar em Xianity que já viu um judeu." "Bill e eu destruímos o café inteiro por causa de um judeu que usava seu chapéu. Não gostei do formato." "Yorke ligou: deve obter #500 dos judeus (Bar os Judeus!)." "Simon - um judeu muito ruim." "Nota astrológica. Pessoas com Áries subindo - - muito agressivo - - ficam impassíveis e gordos quando Touro sobe. Ex: Lady Owen. Também, geralmente, judeus." "Joguei muito bem xadrez contra Lommer e o judeu de óculos" "Viu o judaico encantador o suficiente para convidar Aldo Philipson para almoçar. Um judeu renegado imbecil - 'Católico'. Realmente bestial. Eu aguentei ele por 3 horas e meia!!! e então ele quis medir os tapetes! Onde estava a 'fé' então? " "problemas com Refujews" [judeus refugiados]. "Tudo quieto, exceto a velha Martha multando (?) os Refujewess." "Conversa com bem acordada judia Karen." "Espasmos depois do almoço: liguei para pedir ajuda. Judeus, ouvindo, ligaram para a polícia para reclamar!!!" "Noite péssima, com judeus em cima fazendo o inferno o tempo todo" "um símbolo para trazer a vitória (Pentagrama estragado pela associação judeu-bolchevique em mentes de idiotas)" "minha ideia de procurá-lo em lojas de judeus. Gamage, em particular. (Gamage, um Judeu?" " Observe que a Recusa em contar dinheiro é a completa reviravolta da base das idéias de Equidade do velho Aeon. É o Nay dizendo ao espírito do Judeu, que apodreceu a alma da humanidade. Que o homem heróico, que arriscou sua vida diariamente e perdeu um ou dois membros, não morra mais de fome às portas do covarde que protegeu!" "Escapou com a judia persa (?) que marquei há alguns dias. Mensagem: 51 . Kan. Encontrou um bom quarto na Zetland House e o ocupou. Mais tarde (é claro) a bruxa mandou cancelá-lo! Judia, muito astuta, veio caçando quarto" "Diana Parker (uma judia romena) na banheira (?) com o neto da bruxa" "aqui está uma judia rude muito estúpida" "Alice para o chá. Ham gosta dela, nunca viu uma joia mais óbvia" "Ham trouxe Liversidge que parece um judeu barato e frívolo - muito classe baixa de porcos judeus." "Carta miserável de Frieda. Com arrogância, dominadora e intimidando seus supostos inferiores, ela não compensa seu medo do judeu asqueroso com quem se casou." "'Damas aposentadas' em uma casa vulgar pretensiosa e régia, lembrando um daqueles horríveis bares da 'província' em Berlim. O judeu alemão no céu!" "Lady Waldie - Griffith. Eu meio morto. Toda conversa antijudaica." "O Menino Cristo ligou, levou Pam e eu para a casa de Hatchett e Berens (Behrens atrasado - que disfarce profundo!) Discussão sangrenta sobre judeus - B sentiu a pressão. Pam aqui - Louis apareceu - então eu não entendi direito! Fui juntar-me ao Menino Cristo na casa de Hatchett. Ele tinha um horrível ladrão judeu com ele" "Coronel real (uma judia alemã!) saúda os guardas" "'Para o inferno com os hunos e os judeus!' você canta? / Venha, venha agora, pense bem! / Todas as honras ao nosso nobre rei, / E ao general Eisenhower!" "Longa carta de JWP 5 FH em forma. TB veio buscá-la; muito judeu e vampiro. Tem mentido para mim: será que ela roubou o Eq III 2." "O porco 'Michael Juste' não vai pagar, oh Deus! Envie-nos um Hitler! O judeu nojento do hotel quase o destruiu em 3 dias" "David Curwen 136 Mary'B Rd, amigo judeu de Mike." "Sat o Brains Trust com dois judeus bastante inteligentes e uma mulher tagarela que falava pelos cotovelos."

Isso levanta a questão do contexto das citações. E quanto à interpretação dessas citações? Quantos contextos de uma citação são necessários para "entender" a citação?

Os livros de Crowley estão cheios de estereótipos anti-semitas. No contexto de Thelema, no entanto, apenas aqueles que existem em conexão com a interpretação de seu Liber AL são decisivos. Crowley proibiu explicitamente discutir Liber AL:

"Aqueles que discutem o conteúdo deste Livro devem ser evitados por todos, como focos de pestilência. Todas as questões da Lei devem ser decididas apenas apelando para meus escritos, cada um por si."

Portanto, todos os Thelemitas são forçados a recorrer às próprias interpretações de Crowley. O novo comentário de Crowley sobre Liber AL descreve os "pagãos" (isto é, os não-Thelemitas) nestes termos: "Cristãos e outros trogloditas - mas mais especialmente os parasitas do homem, os judeus" [III; 11]. Em outro lugar, Crowley interpreta a linguagem sangrenta e guerreira de seu Liber AL, Bíblia dos Thelemitas, para ser aplicada literalmente: “especialmente judeus e cristãos protestantes” são como “vermin” que deveriam ser exterminados [III; 18].

Na instrução "secreta" ao VIII° da O.T.O., Crowley perpetua outro estereótipo anti-semita bem conhecido: ele descreve judeus que massacram os filhos de não judeus para suas refeições de Páscoa, a fim de consumir ou usar o sangue para fins talismânicos ou sacramentais. Sua linguagem não trai nenhum indício de ironia, mas transmite uma instrução séria: “Considere isso”. Do ponto de vista de Crowley, no entanto, alguém que está irritado com essas acusações (e outros, libelos semelhantes, que estão contidos na instrução VIII°) e os considera como "monstruosos e extravagantes", meramente exibe um "defeito". Em outras palavras, a culpa nunca pode ser do profeta Crowley, mas deve sempre residir na própria intuição e apreensão do leitor. Os seguidores modernos de Crowley compartilham dessa opinião.

Essas acusações e interpretações não são declarações de um Thelemita de baixo calibre, mas procedem do inventor, o fundador de Thelema, o "profeta do novo Aeon". Crowley em seu diário em 22 de outubro de 1920: "Eu sou a Besta [...] Eu sou Thelema" e em 27 de maio de 1917: "Eu mesmo AIWAZ tenho considerado o tempo todo como agir com relação ao corpo e à mente de Crowley." Em 14 de junho de 1917: "Estou chegando ao ponto do habitual reconhecimento de mim mesmo como AIWAZ."

Em alguns países, as declarações racistas são ilegais e resultariam em pena de prisão para aqueles que as publicassem novamente.

Existem seguidores modernos de Crowley que não compartilham de suas visões anti-semitas idissincráticas. Que há mais do que alguns membros do 'Califado' ou de outras versões da O.T.O. que são de origem judaica.
Na versão censurada de Wiliam Breeze do 'Califado', as passagens que exibem as inclinações anti-semitas mencionadas acima estão ausentes. "A Lei é para Todos: O Comentário Popular Autorizado sobre Liber AL vel Legis sub figura CCXX O Livro da Lei" Editado por Louis Wilkinson e Hymenaeus Beta. New Falcon Publications, Arizona 1996. Mas a O.T.O. parece estar contaminada. Você pode pescar um cocô de um tanque de água, mas quem sabe que o cocô estava lá não vai beber dele.
O dito 'Califado', a O.T.O. mais amplamente difundida, distribui autorretratos de seu fundador “adequados para o culto”. [The Magical Link # 2, Fairfax 1998, 10]


Uma direção política uniforme pode ser observada na O.T.O?

Claro, os membros da O.T.O. são mais ou menos politicamente orientados. A O.T.O per se denomina-se apoliticamente, embora seus estatutos pareçam diferentes.
"Os membros da Ordem devem considerar aqueles que fora de seu âmbito como não possuidores de direitos de qualquer espécie, uma vez que não aceitaram a Lei e, portanto, são, por assim dizer, trogloditas, sobreviventes de uma civilização passada, e devem ser tratados de acordo. Bondade deve ser demonstrada para com eles, como para qualquer outro animal, e todos os esforços devem ser feitos para trazê-los para a Liberdade." (Liber CI, 28).

A atual política da O.T.O. declara em 1999 que "a OTO agora não incentiva seus membros a tratar aqueles fora da Ordem como inferiores que não possuem direitos". http://lib.oto-usa.org/sabazius/essays/memo0101.html
Mas eu ouvi que esta é apenas a "versão oficial", enquanto atrás da cortina há membros aderindo à regra de Crowley.

Em uma abordagem de superestimação excessiva, Crowley viu sua religião como controladora do estado:

“Pretende-se que o poder laico do estado seja trazido para a lei [de Thelema]” (Liber CI, 40).

Tanto a O.T.O. quanto Thelema parecem ser anti-sociais e anti-democráticas.

Da mesma forma, Guido Wolther já argumentou a respeito de sua magia sexual na Fraternitas Saturni, em uma formulação estranha: “O pênis de um não membro nunca se insere na vagina. Pênis e semente de leigo passam pela boca [...] Não tenha consideração pelos leigos - jogue-o fora como uma luva velha - se ele não tiver mais nada a dar."

Guido Wolther / Frater Daniel: Die Symbolik des 18° Gradus Pentalphae [20 ilustrações de 1973]:

Guido Wolther — Fraternitas Saturni — Penis of a non-member never insert into your vagina


O mesmo Guido Wolther, ex-Grão-Mestre da Fraternitas Saturni em 1966: “Minha mulher é judia aliás e de origem francesa e na juventude passou por experiências terríveis - imagine só, que choque para ela, quando um dos irmãos da loja 'confessou' ter matado, como um homem da SS, muitas presas de um campo de mulheres? Como um mebro de alto grau, ela estava comprometida a ouvir - e, eventualmente, em silenciar, esquecer e depois perdoar. Oh Deus! Eu nao poderia fazer aquilo!"

Facsimile em "In Nomine Demiurgi Nosferati", München 1999, Seite 175:

Guido Wolther, Fraternitas Saturni



Nos escritos da O.T.O., sempre encontramos parágrafos problemáticos. Encontram-se aqui utopias sexuais socialmente não mais aceitáveis, como o desejo de Reuss, já citado, de que os ditos médicos-sacerdotes ensinem até aos mais novos a concepção de que os órgãos sexuais são algo sagrado e o ato sexual é a ponte que conecta os homens com Deus. Na O.T.O. de Reuss - as crianças devem aprender os segredos do ato sexual com médicos-sacerdotes, até se casarem.

Leia O Programa de Construção e os Princípios Orientadores dos Neo-Cristãos Gnósticos da O.T.O. publicado em 1920

Crowley adicionou em seu “Novo Comentário a Liber AL“ (quase a palavra do profeta): »Além disso, a Besta 666 [= Crowley] aconselha que todas as crianças estejam acostumadas desde a infância a testemunhar todo tipo de ato sexual, como também o processo de nascimento«.

Aleister Crowley The Law is for all Moreover the Beast 666 adviseth that all children shall be accustomed from infancy to witness every type of sexual act Israel Regardie Arizona 1975, 114

"THE LAW IS FOR ALL.
An Extended Commentary on THE BOOK OF THE LAW
by Aleister Crowley"
Edited with an Introduction
By Israel Regardie

Arizona, 1975.


Como pode uma criança adolescente saber que os parágrafos problemáticos da sagrada obra do santo padre não devem ser interpretados literalmente? Especialmente em vista das passagens de certo dificilmente compreensíveis na Carta dos Direitos Humanos de Crowley: »O homem tem o direito de matar aqueles que frustram esses direitos«, »Os escravos servirão.« Não se esqueça de que Crowley proibiu explicitamente discutir Liber AL.

O 'Califado' não se afasta muito de Reuss e Crowley em seus padrões para a educação infantil. Na revista da ordem ”Magickal Link“ I;12, Berkeley, dezembro de 1981, foi oficialmente publicado que filhos e pais estão em pé de igualdade, de modo que a verdadeira vontade dos filhos não seja suprimida. Isso contradiz outros membros de alto grau, quando querem dizer que as crianças não puderam ser iniciadas porque lhes falta a experiência de crescer, que lhes falta a infância inteira.

No entanto, apenas o 'Califado' se apega à palavra de Crowley. Nem a O.T.O. Tifoniana, nem a O.T.O. Suíça celebram missas sexuais. A O.T.O. Suíça se dissociou ainda com maior veemência de Magia Sexual e de Crowley.


Martha Küntzel e Friedrich/Frederic Lekve

Martha Küntzel, que viveu em Leipzig, traduziu três volumes dos escritos de Crowley e Liber AL na década de 1920. Küntzel viu em Adolf Hitler seu filho mágico. Anteriormente, ela havia proclamado Crowley o Messias Mundial. No entanto, a devoção fanática de Küntzel por Hitler era demais para Crowley. Eventualmente, ela encontrou um seguidor Thelêmico em Friedrich/Frederic Lekve, que mais tarde se tornou prefeito de Hildesheim, Alemanha. Lekve queria usar a suástica como o “Sinal de Thelema Alemã”.

Friedrich Frederic Lekve, Aleister Crowley

["Materialien Zum O.T.O.", Munique 1994, 102ss.]



Friedrich (Frederic) Lekve para Crowley, 28 de abril de 1935. Fac-símile em "Materialien zum O.T.O.", Munique 1994, 102ss.
"Você sugere usar o seu desenho colorido do Hakenkreuz como decoração para bandeiras, porcelanas, brinquedos etc. e fazer um acordo com alguma empresa que fabrica esses artigos para comprar os direitos. Lamento informar que isso não pode ser feito dessa forma pelo motivo da lei alemã, que não permite usar o Hakenkreuz como um símbolo de alteza nacional em qualquer forma para fins de decoração.
Mas talvez este desenho possa um dia se tornar o símbolo da Thelema alemã."


Lekve foi responsável pela sobrevivência de Thelema nos países de língua alemã após a Segunda Guerra Mundial. Ele se considerava o representante pessoal de Crowley.


Crowley parece ter reabilitado Martha Küntzel. O prefácio de seu livro de Tarô de 1944 foi supostamente escrito por Martha Küntzel. No entanto, essa atribuição é falsa: Crowley escreveu ele mesmo.


Um trecho de Francis King:
"Satan and Swastika. The Occult and the Nazi Party", Herts 1976, 142.

Francis King, Satan and Swastika, The Occult and the Nazi Party, 1976 Francis King — Satan and Swastika The Occult and the Nazi Party — Martha Kuentzel

"Seria realmente emocionante se Martha Kuntzel tivesse sido a criadora deste excelente conselho! Infelizmente, porém, toda a ideia de Hitler ser seu 'filho mágico' pareceria ter sido explodida pela própria senhora:

Você está perfeitamente certo [ela escreveu a Crowley pouco antes do início da guerra de 1939-45] quando diz que não consigo pensar politicamente. Nunca me importei com política, exceto durante a Guerra [de 1914-18] e depois desde a época da ascensão de Hitler, embora tarde o suficiente, como foi quando comecei a ver que Hindenburg estava muito velho para dar a ajuda necessária ao Reich. E então comecei a perceber o quanto dos pensamentos de Hitler eram como se tivessem sido tirados da Lei de Thelema. Tornei-me sua fervorosa admiradora, e o sou agora, e serei até o fim. Sempre confiei em sua firme convicção de que a estreita identidade das idéias de Hitler com o que o Livro ensina me dotou da força necessária há anos atrás. . . Mas a carta de Germer me divertiu muito. Não é uma brincadeira ouvi-lo apresentar sua 'teoria' do 'nascimento mágico' de Hitler!

Assim, a suposta influência de Crowley sobre Adolf Hitler, crença na qual ainda é surpreendentemente difundida em certos círculos ocultos, reduz-se, ao que parece, a nada mais do que o fato de que Martha Kuntzel era nazista!"

A tradução de Martha Künzel de "Liber Aleph" de Crowley foi publicado na Alemanha pelo "Califado". Anteriormente, a tradução anterior de Marcus Jungkurth de 1986 (publicada por Michael D. Eschner) estava em circulação.


Arnoldo Krumm-Heller

Outro amigo de Reuss e Crowley foi o aventureiro Arnoldo Krumm-Heller, cuja vida este escritor cobriu longamente em uma obra anterior, "Ein Leben für die Rose" ("Uma Vida para a Rosa"). Ele era um fanático convicto de Hitler e anti-americano. Os artigos de Krumm-Heller sobre esses tópicos agora estão disponíveis on-line. Detalhes: Dance the Adolf Hitler.

Krumm-Heller publicou suas tagarelices fascistas nas revistas de sua própria ordem, prova de como ele misturou sua política com religião.

No meio de Berlim, supostamente a bandeira nazista tremulava no beiral do prédio que também foi anunciado como um templo para a Argenteum Astrum.

Argenteum Astrum
Arnoldo Krumm-Heller Rosa-Cruz Berlin-Heiligensee Sumo Supremo Santuario de la Fraternitad Rosa-Cruz y de la Santa Iglesia Gnóstica
El Sumo Supremo Santuario de la Fraternitad Rosa-Cruz y de la Santa Iglesia Gnóstica de Berlin-Heiligensee

Uma fotografia de sua casa; publicado pelo próprio Krumm-Heller em sua revista "Rosa-Cruz", 27. Novembro 1932, Berlin-Heiligensee 1932, 56.


Em 1937, Krumm-Heller enviou um de seus filhos para a NAPOLA ou Escola Política Nacional, que treinou os futuros líderes do Reich. Ele admirava Mussolini e Kemal Atatürk e trabalhou junto com Ernst Issberner-Haldane em ideias esotéricas de Plasmogenia e a origem da vida. Issberner-Haldane publicou na mesma editora que Eugen Grosche: Verlag der Freude, em Wolfenbüttel.

No entanto, a biblioteca de Krumm-Heller foi confiscada em 1942 pelos nazistas. Aqui ele estava em boa companhia de outros ocultistas: Heinrich Tränker que se considerava chefe de muitas organizações, também da O.T.O. após a morte de Reuss em 1923, e Julius Meyer da Illuminaten-Orden de Theodor Reuss e Leopold Engel sofreram o mesmo destino.

Issberner-Haldane, membro do Ordo Novi Templi de Lanz von Liebenfels (O.N.T.), foi publicado após a Segunda Guerra Mundial na mesma revista esotérica que apresentava Hermann Joseph Metzger, chefe da O.T.O. suíça: o Arve.

Die Arve - Peter Mano - Hermann Joseph Metzger - Manfred Kyber, Hans Sterneder, G.W. Surya, Herbert Fritsche, Theodor Czepl


Aqui Issberner-Haldane.
Peter Mano é Hermann Joseph Metzger. Outros escritores do 'Arve': Manfred Kyber, Hans Sterneder, G.W. Surya, Herbert Fritsche (que se considerava o sucessor da Igreja Gnóstica de Arnoldo Krumm-Heller), Theodor Czepl (sucessor de Liebenfels e ativo na Ordem dos Illuminati de Walter Englert em Frankfurt/Alemanha na década de 1960)...





Na década de 1910, Issberner-Haldane trabalhou em várias fazendas na Austrália e, como Arnoldo Krumm-Heller, logo se mudou para a América do Sul. No Rio de Janeiro descobriu moças com características arianas em bordéis, que considerava uma clara evidência de uma conspiração mundial judaica para corromper a juventude feminina da raça superior.
Embora ainda estivesse brincando com a ideia de fundar uma utopia racial em Queensland ou na Califórnia, ele foi para Berlim e publicou seu primeiro trabalho sobre quiromancia em 1921, intitulado "Die Chiromantie" (Quiromancia), que foi distribuído como o "Orgão Oficial da Unificação dos Quiromantes da Alemanha".

Ernst Issberner-Haldane, Arnoldo Krumm-Heller

Primeiro volume do boletim de Arnoldo Krumm–Heller "Der Rosenkreuzer", de 1921 no jornal da Fraternitas Rosicruciana Antiqua.


Após uma reunião com Lanz von Liebenfels, em 1927 Issberner-Haldane juntou-se ao O.N.T. e depois fundou uma comunidade nacional, a "Svastika-Heim" na ilha de Rügen, que mais tarde alcançou o status de casa religiosa da O.N.T.

Ernst Issberner-Haldane, Ostara

1931 em "Ostara", boletim da O.N.T.


Após a Segunda Guerra Mundial, ele ignorou completamente seu passado fascista e continuou a publicar animadamente, mas sentindo inveja e "inimigos desonestos" em todos os lugares.


Hermann Joseph Metzger

H.J. Metzger Chefe Externo da O.T.O. Suiça elogiou Lanz von Liebenfels com entusiasmo, não apenas em sua revista da O.T.O., mas mesmo no funeral deste último.

E.O.L. Mitteilungsblatt No. 1, Junho 1954, Zürich 1954, página 6

Hermann Joseph Metzger Outer Head of the Swiss O.T.O. Lanz von Liebenfels


"Ein Fest für das Feuer, ein Fest für das Wasser, ein Fest für das Leben, ein grösseres Fest für den Tod."    Liber AL II.41.

"Ein leuchtendes Beispiel ungebeugten Bekennertums und höchster Tugend

Dr. Georg Lanz von Liebenfels

hat am 22. April 1954, um 3 Uhr morgens, in vollem Frieden die Gewänder gewechselt.

Alle die ihn kannten werden ihm ein ehrendes Andenken bewahren.

Seine sterbliche Hülle wurde im Familiengrab des Penzinger Friedhofes, Wien XIV., am 28. d.M. beigesetzt.

V.I.T.R.I.O.L.U.M."



[AL II,41: "Um banquete para o fogo e um banquete para a água; um banquete para a vida e um banquete maior para a morte!"
Dr. Georg Lanz von Liebenfels
um exemplo brilhante de firme profissão de compromisso e mais alta virtude, trocou pacificamente sua vestimenta terrena.
Todos os que o conheceram honram a sua memória.
Sua concha mortal foi sepultada no túmulo da família no cemitério de Penzinger, Viena XIV, em 28 de abril.
V.I.T.R.I.O.L.U.M.]




Em 22 de dezembro de 1950, HJ Metzger anunciou seu interesse em incorporar Liebenfels em sua compilação planejada de ordens para Grosche: ”no entanto, deve-se tentar conquistar o último Gr.M dos Templários, Hans [sic] von Liebenfels [...]

Hermann Joseph Metzger, Eugen Grosche, Lanz von Liebenfels Hermann Joseph Metzger, Eugen Grosche, Lanz von Liebenfels


A reação de Grosche em 29 de dezembro de 1950 foi hesitante: "Você não terá muita sorte com Liebenfels, ele é muito tendencioso em seu envolvimento com todas as coisas arianas - eu conheço todos os seus escritos".

Eugen Grosche, Hermann Joseph Metzger, Lanz von Liebenfels Eugen Grosche, Hermann Joseph Metzger, Lanz von Liebenfels


Quem é Lanz von Liebenfels?
Lanz von Liebenfels escreveu um tomo de material, por exemplo, a "Theozoologie" (1906) e o "Anthropozoon Biblicum" (1903-1904) em que ele esboçou a imagem de uma nova raça humana, liderada por elites Ariosóficas - patrícios misticamente treinados e líderes de uma sociedade secreta que está no auge de todos os povos e raças. Liebenfels imaginou uma luta entre o Bem e o Mal na qual o Aryan Asen trava uma “Guerra Santa” contra os sub-humanos, os chamados Äfflinge [simiescos] e outras criaturas racialmente inferiores, a fim de destruí-los. A salvadora do Asen não é outra senão Frauja, gótica por Cristo.

Lanz von Liebenfels, Theozoologie

[Lanz von Liebenfels: "Theozoologie", Wien 1906.]

Mais adiante.


Krumm-Heller e o "Califado"

Os romances de Arnoldo Krumm-Heller "Hertha" e "Alfredo" são discursos contra a prostituição, moda, masturbação e qualquer outro envenenamento do mundo moderno. Só o matrimônio salva a “mulher natural”.
Você encontrará trechos dos romances de Krumm-Heller em "Ein Leben für die Rose".

Em 2005, a filial australiana do 'Califado' publicou sob o lamen da O.T.O. um livreto de Krumm-Heller em uma tradução para o inglês, acompanhado por um prefácio caiado de branco que convenientemente omitiu qualquer menção às atividades políticas de Krumm-Heller. A suástica estava ausente. Expressões anti-semitas foram censuradas. As declarações pró-Hitler foram eliminadas. Suas opiniões racistas desapareceram no buraco da memória. Detalhes: Dance the Adolf Hitler.

Sem mencionar o nome de Krumm-Heller, perguntei a William Heidrick, um membro de alto grau do círculo íntimo do 'Califado (a quem me referirei como “H”): qual é a opinião de H sobre a publicação do livro de um racista pela O.T.O.? A primeira coisa que H queria saber era se o livro era de Reuss ou Crowley. Parecia que H estava acostumado a tais associações com esses dois. É verdade que Reuss e Crowley não eram tão abertamente zelosos sobre noções raciais quanto Krumm-Heller – isto é, se negligenciarmos o fato de que Reuss queria que o casamento e a reprodução fossem regulamentados pela O.T.O. Reuss escreveu:

"Todo homem, mulher, menino e menina com mais de 14 anos serão examinados regularmente pelos delegados médicos do Conselho Supremo de Saúde do Povo. Pessoas (homens ou mulheres) que não tenham sido consideradas capazes pelo Supremo Conselho Médico de produzir crianças saudáveis não terão permissão de se casarem. As pessoas que produzirem filhos apesar deste decreto serão punidas com trabalhos forçados públicos."
Theodor Reuss Parsifal und das enthüllte Grals-Geheimnis

Partes da Utopia-O.T.O. de Reuss me lembram as idéias de Lanz von Liebenfels (ver "Theozoloogie", páginas 148ff.]


Depois que eu revelei o nome Krumm-Heller a este membro de alto grau, que é uma força motriz do 'Califado', “H” recusou-se a lidar com o assunto.


Os Nazistas e o Ocultismo

Por algum tempo, muita literatura sensacionalista chamou a atenção para o entrelaçamento do nacional-socialismo e do ocultismo. Em alguns casos, foram escritos estudos verdadeiramente notáveis ​​que separam o fato da ficção. Por exemplo, Ellic Howe esclareceu os rumores sobre a suposta devoção de Hitler à astrologia. Pode-se ler também Manfred Ach/Clemens Pentrop, “Hitler's 'Religion'”. Certamente todo leitor interessado deveria consultar “The Occult Roots of Nazism” de Nicholas Goodrick-Clarke. A obra de Goodrick-Clarke é o estudo definitivo da Ariosofia. Para resumir brevemente, há muitas lendas em torno da questão da influência do ocultismo no nacional-socialismo. As inclinações esotéricas de Heinrich Himmler eram provavelmente muito menores do que foram pintadas por alguns. Rudolf Hess, o outro suposto ocultista entre os nazistas, provavelmente só tinha um interesse particular em ocultismo e não tinha qualquer influência na política. Uma completa ausência de evidências também mina a teoria da conspiração que sustenta que os Aliados nos Julgamentos de Crimes de Guerra de Nuremberga conscientemente suprimiram documentos sobre a influência oculta dos líderes nazistas.


Nicholas Goodrick–Clarke, Die okkulten Wurzeln des Nationalsozialismus, Graz 1997

Nicholas Goodrick–Clarke: "Die okkulten Wurzeln des Nationalsozialismus", Graz 1997


Stuart Russell / Jost W. Schneider, Heinrich Himmlers Burg, Das Weltanschauliche Zentrum der SS, Bildchronik der SS-Schule Haus Wewelsburg 1934-1945, Essen 1989. Karl Hüser, Wewelsburg 1933 bis 1945 SS Kult- und Terrorstätte, Eine Dokumentation, Paderborn 1982.

Stuart Russell / Jost W. Schneider: "Heinrich Himmlers Burg, Das Weltanschauliche Zentrum der SS, Bildchronik der SS-Schule Haus Wewelsburg 1934-1945", Essen 1989. Karl Hüser: "Wewelsburg 1933 bis 1945 SS Kult- und Terrorstätte, Eine Dokumentation", Paderborn 1982.


Kirsten John-Stucke, Daniela Siepe (Hg.), Mythos Wewelsburg, Fakten und Legenden, Paderborn 2015.

Kirsten John-Stucke, Daniela Siepe (Hg.): "Mythos Wewelsburg, Fakten und Legenden", Paderborn 2015.



Os nazistas permearam a política e a religião à sua maneira.

Um fato é completamente inegável: Mathilde Ludendorff, a ideóloga völkisch, expressou claramente sua oposição à O.T.O. em 1933.


Mathilde Ludendorff, Induziertes Irresein durch Occultlehren, Nachdruck Pähl 1970 Mathilde Ludendorff, Induziertes Irresein durch Occultlehren, Nachdruck Pähl 1970 Mathilde Ludendorff, Induziertes Irresein durch Occultlehren, Nachdruck Pähl 1970

Mathilde Ludendorff: "Induziertes Irresein durch Occultlehren", Nachdruck Pähl 1970.



Ariosofia

Alguns ocultistas atuais demonstram um claro interesse pela antiga literatura ariosófica.

Para dar um exemplo: em meados da década de 1980, Dieter Heikaus, Grão-Mestre do Ordo Saturni anunciou em sua ordem/loja um “departamento especial para Ariosofia” no "Espiritual Adressbuch" [Caderno de Endereços Espiritual].

Dieter Heikaus, Set-Horus, Ordo Saturni, Ariosophie, Gnostisch-Katholische Kirche

[Retirado de: "Spirituelles Adressbuch 86/87", Ahlerstedt 1985.]



Heikaus revelou-me pessoalmente que tinha sido um hóspede na casa de Rudolf Mund, escritor de “Jörg Lanz von Liebenfels und der Neue Templer Orden” [Jörg Lanz von Liebenfels e a nova Ordem dos Templários]. Mund foi o sucessor de Liebenfels na O.N.T. e também visitou a O.T.O. Suíça


A Gnose de Lanz von Liebenfels

Lanz Liebenfels Theozoologie Anthropozoon Biblicum Ordo Novi Templi ONT

Embora evidentemente não tenha nada em comum com Thelema e O.T.O., uma pequena digressão na Gnose de Liebenfels é necessária.

De acordo com Liebenfels, em tempos anteriores, os deuses viviam na terra. Esses deuses estavam equipados com um terceiro olho que possuía o poder de converter a matéria. Esses deuses foram divididos em dois grupos: magos brancos e negros. Os deuses da magia branca criaram uma raça humana pura da qual os arianos se desenvolveram, enquanto os deuses da magia negra copularam com os animais, dos quais surgiram as “sub-raças” (ou seja, raças inferiores aos arianos).
Algumas partes de "Theozoologie", de Liebenfels, parecem o roteiro de uma sequência não descoberta da série cinematográfica, "Planeta dos Macacos".

Em 1934, a lista de leitura para os seguidores de Liebenfels incluía - além de muitos outros - os seguintes autores bem conhecidos no contexto ocultista: Leopold Engel (co-fundador da Illuminaten Orden de Reuss), Franz Hartmann (suposto co-fundador da O.T.O., embora os fatos contem uma história diferente), Papus (= Gérard Encausse), este último pelo menos em conexão direta com a O.T.O., além disso E.T. Kurtzahn (um gnóstico próximo de Theodor Reuss), H.P. Blavatsky, bem como o livro favorito de Arnoldo Krumm-Heller: Pistis Sophia (de "Praktische Einführung in die arisch-christliche Mystik. VI. Teil: Praxis, Geschichte und Literatur der Mystik" [“Introdução Prática ao Misticismo Ariano-Cristão. VI. Prática, História e Literatura do Misticismo”]). Curiosamente, todos esses nomes – exceto Kurtzahn e Papus – estão faltando na lista do “Ariosophischen Literaturverzeichnis” [“Índice Literário Ariosófico”], publicado dois anos antes. Em vez disso, Eliphas Levi e E.C.H. Peithmann (com proximidade da O.T.O e da Igreja Gnóstica) estão listados. [“Bibliomystikon, 4. Volume, 1. Part, Untertullnerbach 1932]. Liebenfels revê o romance de Dion Fortunes "Liebe aus dem Jenseits" [O Amante do Demônio] em uma das edições de "Ostara" ("Lesebücherei der Blonde") ["Biblioteca para as Loiras"] (Nr. 12, Viena 1929, 20 ). Em outras edições, Franz Hartmann é recomendado (13, 1918; 79, 1915; 86, 1916), bem como E.C.H. Peithmann (13/14, 1930), Karl Prandler-Pracht (um amigo de Krumm-Heller; número 26, 1917; 45, 1911; 79, 1915; "Calendários para ocultistas" de Prandler-Pracht (em 82, 1915) e Peryt Shou (um conhecido de Crowley e Krumm-Heller; 77, 1914)

O fato de Liebenfels ter recomendado alguns protagonistas da O.T.O./thelêmicos não indica que seus sentimentos semelhantes fossem recíprocos.

As enormes listas de literatura, citações e notas de rodapé nas obras de Liebenfels parecem apontar sua familiaridade com a literatura oculta de seu tempo. Ele também fez campanha contra uma interpretação libertina da Gnose “clássica”.


Retirado de 'Neue Metaphysische Rundschau', XVII, Heft 1, Berlin 1909, "Das Kabirengeheimnis":

Neue Metaphysische Rundschau, XVII, Heft 1, Berlin 1909, Das Kabirengeheimnis



Não é de surpreender que essas ideias ocultas fossem demais para os nazistas.
Alegadamente uma proibição para escrever foi emitida contra Liebenfels e em 1938 o "Lumen Club" associado ao seu O.N.T. foi até proibido. Issberner-Haldane também foi banido. A antipatia parece ter sido mútua: aparentemente Liebenfels também se manifestou contra o nacional-socialismo. [Wilfried Daim: "Der Mann, der Hitler die Ideen gab", 2. Edição Viena 1985, 181]

No fim de tudo Liebenfels, seus escritos e sua ordem permaneceram sem influência no período dos nazistas.


Paranóia

"Der Judenkenner" nomeou vários ocultistas proeminentes - Theodor Reuss, Aleister Crowley, Arnoldo Krumm-Heller, Rudolf Steiner, Ordo Templi Orientis - e os denunciou de maneira zombeteira.
Fac-símiles em "Der Grosse Theodor Reuss Reader", Munich 1997, p 340ff.
Uma citação de Der O.T.O. Phaenomen RELOAD, Munique 2011, parte I, página 52: "Se o editor de Judenkenner era Ulrich Fleischauer (e isso não é certo), ele estava em contato regular com Monsenhor Jouin, da Révue Internationale des Sociétés Secrètes, e Hamilton Beamish, da O Patriota na Inglaterra. Todos esses periódicos estavam preocupados até certo ponto com esse tópico. Judenkenner publicou todas as semanas por quase dois anos durante 1935-1936. Heydrich ordenou que o Serviço de Segurança (SD) e a Polícia Secreta (Gestapo) apreendessem documentos de, e suprimisse, organizações ocultistas em 20 de julho de 1937, e as lojas maçônicas em 23 de abril de 1938. Embora eu tenha certeza de que o SD e a Gestapo adquiriram documentos importantes antes dessas datas, questiono se eles realmente adquiriram as informações mais interessantes até depois da supressão. Por esta razão, as vastas fontes de Ulrich Fleischauer para Judenkenner permanecem um mistério, assim como a natureza do relacionamento de Heydrich e do Dr. Francis Six com Fleischauer. Fleischauer posteriormente trabalhou para Alfred Rosenberg, depois que Heydrich fechou a Judenkenner no final de 1936 (razão desconhecida)." [Paul Sturges]


Der Judenkenner: Der Grossvater der Antroposophischen Gesellschaft

Der Judenkenner Ulrich Fleischauer Theodor Reuss Rudolf Steiner Aleister Crowley Der Judenkenner Ulrich Fleischauer Theodor Reuss Rudolf Steiner Aleister Crowley Der Judenkenner Ulrich Fleischauer Theodor Reuss Rudolf Steiner Aleister Crowley


Der Judenkenner: "Mysterien" des Aleister Crowley

Der Judenkenner Ulrich Fleischauer Theodor Reuss Rudolf Steiner Aleister Crowley Der Judenkenner Ulrich Fleischauer Theodor Reuss Rudolf Steiner Aleister Crowley

[Retirado de: 'Der Grosse Theodor Reuss Reader'.]



Karl Germer sobre as arengas em "Der Judenkenner": "No caso de [Heinrich / Henry] Birven eu sei que ele tem uma tremenda literatura sobre os antecedentes da O.T.O. etc. e estava em contato com os círculos dirigentes franceses. Ele foi chamado à Gestapo para testemunhar ou para interrogatório, mas tenho certeza de que não foi seriamente molestado. Ele [Birven] e [Heinrich] Tränker jogaram tudo em mim, o perverso Germer. B. pode, para salvar sua pele, ter fornecido à Gestapo mais informação, normalmente não encontrada na literatura”.

Assim, Germer acreditava ter encontrado os bodes expiatórios para o seu envio à um campo de concentração: Birven e Tränker. [Veja acima].


Amostras de literatura “paranóica” da época.

Gregor Schwarz–Bostunich, Jean Paar aka S. Ipares, Hermann Rehwaldt, Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff–Bergen.

Literatura sobre a Paranóis das teorias da conspiração globais: Helmut Reinalter (ed.): "Verschwörungstheorien. Theorie — Geschichte — Wirkung", Innsbruck 2002.

Vários fac-símiles também em "Feldzug gegen Rudolf Steiner", Flensburger Hefte 63, Flensburg 1998, Peter-R. Koenig: "Gestatten, agente secreto Peter-R. König", 109-168.


Gregor Schwartz-Bostunitsch, Doktor Steiner - Ein Schwindler wie keiner, München 1930. Gregor Schwartz-Bostunitsch, Doktor Steiner - Ein Schwindler wie keiner, München 1930. Gregor Schwartz-Bostunitsch,  Die Freimaurerei - Ihr Usprung, ihre Geheimnisse, ihre Wirkung.

Gregor Schwartz-Bostunitsch: "Doktor Steiner - Ein Schwindler wie keiner", München 1930. Gregor Schwartz-Bostunitsch: "Die Freimaurerei - Ihr Usprung, ihre Geheimnisse, ihre Wirkung".


A partir de 1926, Gregor Schwartz-Bostunitsch foi membro da "Sociedade Ariosófica" e logo mudou para a SS. Ele viajou por toda parte para dar palestras sobre suas teorias da conspiração de maçons e judeus para organizações nazistas no Reich e nos países ocupados. Em 1942 foi nomeado "Professor Honorário" da SS. Por instigação pessoal de Himmler, ele foi nomeado SS-Standartenführer em 1944.

Gregor Schwartz-Bostunitsch também co-escreveu com Lanz von Liebenfels, Issberner-Haldane e Guido von List.

Lanz von Liebenfels, "Bibliomystikon" Pforzheim 1930:

Lanz von Liebenfels, Bibliomystikon, Pforzheim 1930



Referências a Bostunitsch, Liebenfels e Issberner-Haldane, mais uma vez encontradas em Nicholas Goodrick-Clarke: "The Occult Roots of Nazism: Secret Aryan Cults and Their Influence on Nazi Ideology", 1985. E adicionalmente em: Wilfried Daim: "Der Mann, der Hitler die Ideen gab", Wien 1957; Rudolf J. Mund: "Lanz v. Liebenfels und der Neue Templer Orden", Stuttgart 1976 e Ekkehard Hieronimus: "Lanz von Liebenfels: 'Lebensspuren'", em "Wege und Abwege" (publicação de aniversário para Ellic Howe, Hrsg. Götz von Olenhusen), Freiburg 1990
Veja também Rudolf von Sebottendorff: Der Talisman des Rosenkreuzers. Introdução de Albrecht Götz von Olenhusen.



Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte Jean Paar, S. Ipares, Geheime Weltmächte

S. Ipares (Jean Paar): "Geheime Weltmächte", München 1936.


S. Ipares logo se tornou seguidor de Ludendorff. Ele também publicou sob o pseudônimo de Jean Paar. Citações de algumas de suas obras mencionadas aqui em: Der O.T.O. Phänomen RELOAD, Munique 2011.

Jean Paar, S. Ipares, Weisse und Schwarze Magie




Hermann Rehwaldt, Das Schleichende Gift Hermann Rehwaldt, Das Schleichende Gift


1935 Hermann Rehwaldt tenta influenciar seu público com um romance oculto que indica claramente a Fraturnitas Saturni.

Hermann Rehwaldt, Die Unsichtbaren Väter Hermann Rehwaldt, Die Unsichtbaren Väter Hermann Rehwaldt, Die Unsichtbaren Väter Hermann Rehwaldt, Die Unsichtbaren Väter Hermann Rehwaldt, Die Unsichtbaren Väter

Fac-símile também em "In Nomine Demiurgi Saturni", München 1998





Revue Internationale des Sociétés Secrètes




Também vale a pena mencionar: o maçom Ernst Theodor Herbert von Bommsdorff-Bergen, que supostamente se considerava uma encarnação de Baphomet. Mais em Der O.T.O. Phänomen RELOAD, Munique 2011, página 72.

Nos círculos da Loja, dizia-se que ele gostava de se aproximar de Irmãos jovens e inexperientes para tirar dinheiro de seus bolsos. Anteriormente em Libertas et Fraternitas (ele foi expulso em 8 de maio de 1923), Bomsdorff-Bergen passou a escrever panfletos contra a Maçonaria e a O.T.O. em tom anti-semita, sob o pseudônimo de 'Christian [Schweizer]kreuz'. Ele ainda mantinha contatos com os Rosacruzes em Ticino de sua propriedade em Morcote, que ele apelidara de "Jardim Mágico de Klingsor", e provavelmente morreu em 1925.


Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug Ernst Theodor Herbert von Bomsdorff-Bergen, Libertas et Fraternitas, Christian [Schweizer]kreuz, Ein Weltbetrug



O caminho da paranóia ao absolutamente bizarro foi curto.

Das Kuriositäten-Kabinett

Stiefel-Mädchen, Die sadistisch-fetischistische Prostitution, Der Sadismus in Einzeldarstellungen, Band 1, Sadismus und Prostitution. Dr. Th. v. Rheine. Stiefel-Mädchen, Die sadistisch-fetischistische Prostitution, Der Sadismus in Einzeldarstellungen, Band 1, Sadismus und Prostitution. Dr. Th. v. Rheine.




Curiosamente, há literatura ariosófica que se expressa com benevolência em relação à Fraternitas Saturni.

Ariosophie Ariosophie

[Retirado de: "In Nomine Demiurgi Nosferati", München 1999, Seiten 27ff.]








Existem ideias extremas em grupos ocultos relacionado à O.T.O. fora dos países de língua alemã?

Marcelo Ramos Motta, um dos personagens beligerantes no campo da O.T.O. se comportou como um anti-semita e interpretou os escritos de Crowley de acordo. Não vale a pena se aprofundar neste assunto aqui. Os leitores interessados podem consultar "Magick Without Tears (Unexpurgated, Commented)" de Motta, Nashville 1983.

De um manuscrito datado de 1957: "As pessoas que ainda não aceitaram a Lei de Thelema são consideradas pagãs e filisteus, pouco mais que animais e, em certas coisas, abaixo das bestas. [...] A O.T.O. é uma anarquia e, como resultado, seu governo é absolutamente autárquico. [...] deve-se prever que violações de disciplina surgirão, que escândalos e imoralidades possam se desenvolver nas Lojas, não apenas escândalos financeiros, mas sexuais a qualquer momento, e mais facilmente na tríade dos Amantes do que na tríade do homem-da-terra. As violações de disciplina desse tipo são violações da disciplina da Ordem, não da disciplina pessoal, e devem ser tratadas com a máxima severidade! Irmãos que, no interesse de seus egos ou desejos, prejudicar o Organismo da Ordem deve ser não apenas rebaixado, mas, caso seja estimado que representem muito perigo de doença, deve ser descartado pelo Organismo. Quando definitivamente descartados, se for estimado que eles possuem muito conhecimento, eles devem ser impiedosamente exterminados. Um vínculo mágico apropriado deve ser formado e uma corrente de vontade hostil direcionada para sua pronta destruição." Marcelo Ramos Motta: "O Desenvolvimento de uma Sociedade Secreta na América nos Anos 1957-2000 e.V.", 1.10.1957.


Christian Bouchet

Nas associações políticas ou alinhamentos das muitas variações italianas da O.T.O., Hitler e Stalin são igualmente admirados. A maioria dos membros são recrutados da Direita. Na Itália, algumas associações ocultistas levam a um grupo chamado Orion, composto por ex-adeptos de Julius Evola que promovem noções anti-imperialistas e anti-americanas, misturadas, no entanto, com atitudes filo-russas (isso vale para membros da direita e da esquerda). Associações semelhantes podem ser encontradas entre os grupos ocultistas franceses, bem como em lojas sul-americanas.

Na França, o mestre de loja da O.T.O. 'Califado', Christian Bouchet, recebeu uma Carta Patente do Memphis-Misraim espanhol com data anterior em 1991 do espanhol Manuel Cabrera Lamparter. Esta carta remonta a Michael Bertiaux e supostamente foi emitida para capacitar seu possuidor de “foder o califado” em questões envolvendo direitos autorais.

Com esta carta, Bouchet “logicamente” proclamou-se chefe da Grande Loja Nacional Francesa da O.T.O de Arnoldo Krumm-Heller. O 'Califado' posteriormente expulsou Bouchet, que entretanto se moveu politicamente para a direita.

Como na Itália, quando a O.T.O é mencionada na França, raramente se refere ao 'Califado', mas geralmente às associações que Bouchet criou. Bouchet afirma-se publicamente como o “Xe de l'Ordre du temple d'Orient, évêque gnostique et hiérophante de l'Etoile d'argent”.

Enquanto isso, ramificações da O.T.O de Bouchet que pensam que esta O.T.O. é igual ao 'Califado' prosperam hoje na Espanha. Em 1994, Bouchet fez Jordi García Casas e Juan José Comas García V° da Loge do “Mystical Kindi” [sic] em Barcelona e assinou o documento com uma referência gnóstica como “Marcion XI°”. Os dois se veem agora como 'Califas' da O.T.O para a Espanha e assinam como IX°, X° e XI°. Juntamente com Bouchet, seus nomes podem ser encontrados em círculos neofascistas na Espanha em torno de Ernesto Milá (Frende de la Juventud [FJ], Partido Español Nacional Socialista [PENS]). Comas lidera sua própria organização neofascista CEDADE. As mesmas pessoas estão em contato com um Gabriél Rojas que dirige um templo ilegítimo de Set e uma Igreja de Satanás, naturalmente sem permissão dos chefes corretos de qualquer organização. Não surpreendentemente, esses círculos também contêm uma Ordo Illuminatorum e uma Ordo Templi Orientialis [sic].

Em 1991, Bouchet criou o grupo politicamente direitista La Troisième Voie, do qual se separou em 1996 (?) para formar o grupo de direita e antiamericano Nouvelle Résistance. Em 1999, Bouchet participou como revolucionário nacionalista (Comités d'Action Republicaines) na divisão da Frente Nacional de Jean-Marie Le Pen.

No início dos anos 90, Bouchet obteve o doutorado como historiador sobre Aleister Crowley. Seu amigo Rémi Boyer (supostamente um conselheiro do Ministério da Justiça francês) então reuniu diferentes adeptos de todas as inclinações ideológicas e criou um Cercle d'Alexandrie.
Este círculo não apenas praticava rituais, mas também buscava estudos teóricos (ou seja, a coleta de material). Não é completamente evidente se esta organização é idêntica a um chamado Grupo Thèbe, onde os mesmos nomes podem ser encontrados ...
Da mesma forma o nome de Boyers está conectado com um grupo Arc-En-Ciel. Nas diversas afiliações desses círculos você não só encontra pesquisadores como Serge Caillet (Memphis Misraim) ou Robert Amadou (entre outras coisas Prêtre de l'Église Syrienne), que às vezes se reúnem com os maçons de Zurique, mas também personalidades ilustres, como o Grão-Mestre de Memphis-Misraim Gérard Kloppel, Jean Pierre Giudicelli de Cressac Bachelerie (Memphis Misraim em Nice e politicamente à direita na Frente de Libertação Nacional da Córsega) ou Jean Pascal Ruggiu (Golden Dawn em Paris) ...

Martin Erler, ex-Grão-Mestre da A.M.O.R.C na Alemanha, cuja “cooperação” nesses círculos também foi solicitada, chegou à conclusão de que esses grupos são apenas “construções sorrateiras” para obter material interno.

Em 1993, Bouchet, no contexto de seus contatos com a frente nacional bolchevique, apareceu em um programa de TV russo de Alexander Dugin. A entrevista foi impressa no anuário de Dugin “Mily Angel” e em “The Way to Apocalypse: Knocking on the Golden Gate” (1997) impresso por Yury Vorobyevsky. Assim Bouchet ironicamente deu a iniciação para o início do 'Califado' na Rússia, que ocorreu na primavera de 2000.


Detalhes:

O francês Christian Bouchet (n. 1955). Bouchet (sua profissão em documentos internos da O.T.O.: "agente imobilizador", também membro da A.M.O.R.C.) introduziu a O.T.O. Califado. na França na década de 1980. Entre 1989 e 1993 ele também foi membro do Groupe de Thèbes composto por membros de vários círculos e corpos ocultistas e para-maçônicos (por exemplo, Robert Amadou, Rémi Boyer, Gerard Kloppel, Georges Magne de Cressac, Jean–Marie d'Asembourg, Serge Caillet, Massimo Introvigne [Bouchet foi palestrante em eventos do CESNUR], Paolo Fogagnolo, Jean–Pascal Ruggiu, Maria Schwarzweller e outros, ao todo: cerca de 80 indivíduos). Eles costumavam se encontrar no Grande Oriente da França. O Groupe de Thèbes se desfez por volta de 1993/1994, causado por uma disputa entre Bouchet e Jean-Pascal Ruggiu.
Até então, Bouchet havia sido expulso de duas lojas maçônicas, provavelmente devido à sua participação na Troisième Voie.
Os membros do Califado logo acreditaram que sua O.T.O. foi principalmente um veículo para as ambições políticas de Bouchet, já que ele já era líder dos Comitês d'Action Republicaines e membro da Le Troisième Voie com correntes antimaçônicas e antissemitas. Após o desmembramento desta última em 1991, Bouchet fundou a Nouvelle Résistance, um grupo antiamericano ligado internacionalmente à Frente Nacional-Bolchevique Russa.
Os membros da O.T.O. Califado se sentiram abusados quando Bouchet atraiu pessoas interessadas em Crowley com o nome de seu "Camp Eliphas LEVI" (o outro ramo do Califado era o "Oasis Sous Les Étoiles"). Esta era uma espécie de agência de publicação para suas próprias traduções dos escritos de Crowley (sua tese de doutorado foi sobre Aleister Crowley), que não encontrou o consentimento dos outros membros: Bouchet, que era militante da extrema direita francesa desde os anos 70 , propagou três revistas separadas. Para o grande público, havia "Lutte du Peuple", uma publicação que muitos qualificaram como proto-fascista; depois havia o "Vouloir" (dirigido por Robert Steuckers na Bélgica); no entanto, iniciados da O.T.O. tiveram acesso a "Thélèma".

Christian Bouchet, Thelema, Bulletin de l'O.T.O. en France, VIII;26, Château Thébaud, 1991

"... les articles [...] d'un certain Konig, sous-homme plein de ressentiment qui consacre ses loisirs à baver de petites inepties et des contre-vérités aussi médiocres que lui-même sur Notre Père Aleister Crowley ..." ["Thélèma, Bulletin du Mouvement de Thélème en France (Ordo Templi Orientis et Astrum Argentinum)", VIII;26, Château Thébaud, 1991]



Bouchet recebeu uma Carta Patente do Memphis-Misraim de Manuel Cabrera Lamparter da O.T.O.A. e da F.R.A. de Arnoldo Krumm-Heller, emitida em 24 de junho de 1991, que aparentemente pretendia "foder o califado" em questões de direitos autorais. Consequentemente Bouchet (Frater Marcion) agora proclamou a Grande Loja Nacional Francesa como sendo da O.T.O. Arnoldo Krumm-Helleriana, desconsiderando o fato de que sua Carta de Lamparter era totalmente inadequada para este propósito, pois não conferia nenhum título da O.T.O.
Assim, Bouchet não era chefe, ou seja, X°, de um ramo do Califado na França, mas chefe de outra versão da O.T.O. Como na Itália, quando a O.T.O. é mencionado na França, raramente se refere ao Califado, mas geralmente às associações que Bouchet criou. Bouchet afirma-se publicamente como o "Xe de l'Ordre du temple d'Orient, évêque gnostique et hiérophante de l'Etoile d'argent" [X° da O.T.O., Bispo Gnóstico e Hierofante da A.·. A.·.].
"É absolutamente necessário expulsá-lo publicamente da O.T.O. [...] A O.T.O. de BOUCHET é de filiação 'Krumm/Heller'" relataram os membros do Califado ao seu superior William Breeze no final de 1991: "a vida da O.T.O. francesa depende disso." Uma "rivalidade frenética" era temida no QG do Califado americano e Bouchet foi expulso da O.T.O.-Califado em 1992 sem ter passado além do Primeiro Grau.
Bouchet reagiu desinteressadamente, pois achava que o Califado "há mais de 10 anos está nas mãos de sucessivos líderes mais preocupados em satisfazer seus egos (e também sua bolsa [...]) do que construir uma Ordem Thélèmite [...]. A mesquinhez, a incoerência e a inação nos levaram [...] a romper todas as relações estruturais com ele."
Bouchet agora se considerava o reanimador de todas as correntes thelêmicas que haviam sido excluídas pelo Califado.
Em 1993, Bouchet, no contexto de seus contatos com a Frente Bolchevique nacional, apareceu em um programa de TV russo de Alexander Dugin. A entrevista foi impressa no anuário de Dugin "Mily Angel" e em "The Way to Apocalypse: Knocking on the Golden Gate" (1997) impresso por Yury Vorobyevsky. Assim, algumas pessoas dizem que Bouchet ironicamente deu o pontapé para o início do Califado na Rússia, que ocorreu na primavera de 2000.
Certamente, Bouchet não contribuiu ativa e conscientemente para o início do Califado na Rússia. Ele estava na Rússia naquela época por razões políticas, e foi apenas em uma entrevista na obscura mídia russa de direita que ele foi nomeado líder da O.T.O. Francesa .Mas talvez isso tenha sido suficiente para despertar o interesse geral da O.T.O. entre os poucos ocultistas na Rússia.
Em 1996, Bouchet foi expulso da Nouvelle Résistance e a maioria dos militantes se juntou ao Partido Comunitário Nacional-Europeu.

Mais tarde, o artista francês e protagonista do Califado, Philippe Pissier, "veio à Rússia em setembro de 2000 para minha exposição em Novossibirsk, na Sibéria. Conheci algumas pessoas da O.T.O. em Moscou no final de minha viagem, quando voltei para a França. Acabei de dizer que Bouchet estava expulso." Recentemente, Pissier causou um escândalo na imprensa francesa.

Nem a O.T.O. espúria de Krumm–Heller, nem a O.T.O. suíça, nem a O.T.O. de Kenneth Grant jamais conseguiram pisar em solo russo – menos ainda o S.O.T.O. de Marcelo Ramos Motta. ou a O.T.O.A. de Michael Paul Bertiaux, embora os ocultistas russos pareçam estar muito interessados nos ensinamentos tifonianos de Grant

Em 30 de maio de 2001, o governo francês emitiu "A Lei para Reforçar a Prevenção e Repressão de Grupos de Caráter de Seita", também conhecida como "lei anti-culto". A lei se refere a 172 religiões listadas, entre elas a O.T.O.


Paolo Fogagnolo

Como exemplo de outro tipo de extremismo político na periferia de grupos da O.T.O. gostaria de apresentar o italiano Paolo Fogagnolo.

Por volta de 1977, Fogagnolo fundou seu próprio grupo militarista: a Brigada Lo Muscio (BLM). Fogagnolo esperava que seu BLM ficasse ligado à Brigada Vermelha (Brigado Rosso), mas isso nunca aconteceu. Em 1981, a maioria dos membros do BLM foi presa. Fogagnolo fugiu para Turim, onde encontrou um esconderijo no ambiente anarquista, escondido entre assaltantes. Lá Fogagnolo se gabou de suas façanhas terroristas e do número de pessoas que ele havia matado. Fogagnolo queria se tornar o líder de todas as organizações terroristas na Itália. Eventualmente, ele entrou em contato com parentes dos terroristas da Brigada Vermelha. Sem surpresa, Fogagnolo foi denunciado e, em 1981, preso. Na tentativa de salvar sua pele, Fogagnolo denunciou seus companheiros combatentes. No entanto, ele foi condenado à prisão em Allesandria. Na prisão, tentou suicídio e recusou refeições, separando-se também de todos os grupos terroristas. Após sua libertação da prisão, Fogagnolo tentou retratar-se como um grande herói, e proclamou que na prisão ele havia se "convertido" ao ocultismo. Consequentemente, ele competiu com outras organizações ocultas italianas e fundou spin-offs da O.T.O.A. e da F.R.A., tornou-se membro do Memphis-Misraim e também bispo de uma Igreja Gnóstica de Antioquia. Por algum tempo Fogagnolo até manteve contato com o já mencionado Christian Bouchet, mas como extremista de esquerda logo se separou novamente. Hoje dirige uma Fraternitas Rosa Croce Dorei ed Antica.

Fogagnolo ganhou as manchetes no verão de 2006, quando se descobriu que ele foi amigo por um tempo de Claude Covassi, que supostamente havia espionado muçulmanos em nome do Serviço de Inteligência Suíço.


Hipocrisia

Há uma evidente hipocrisia inerente a Thelema que era perceptível para mim. Os Thelemitas visam substituir o Cristianismo e o próprio Estado por Thelema e um sistema Thelêmico. Alguns Thelemitas se consideram cercados por um Estado destrutivo, um “sistema de porco”. Alguns Thelemitas se veem em um mundo cheio de agressões, mas são movidos pelas próprias agressões, focados contra tudo, inclusive contra eles mesmos. Examinemos particularmente o 'Califado' porque esta variação da O.T.O. é a mais conhecida. Um membro de alto nível do círculo interno que permanecerá anônimo minimiza o número de pessoas com ideias fascistas na O.T.O. e aponta que eles excluíram alguns membros, depois que sua atitude misantrópica foi perceptível: "A O.T.O. não admite racistas, e os nazistas geralmente são racistas declarados. Uma vez na associação, é preciso uma ofensa real para ser expulso - incluindo calúnia ou comportamento racista muito aberto. Alguns se infiltraram, mas normalmente não permanecem muito tempo depois que seu comportamento se torna óbvio. 5/100 de um por cento de perdedores deste tipo não é uma estatística ruim."


Os Escravos Servirão

Para fins práticos, devemos explicar apenas as declarações de membros de alto grau, uma vez que possuem um caráter de modelo. Os dois livros do co-fundador do 'Califado', James Wasserman, que são anunciados até na página oficial do 'Califado', são particularmente notáveis. Wasserman também escreveu o texto que está anexado ao conjunto de Tarot de Crowley. Discutiremos, no entanto, suas duas obras de orientação política: “The Templars and the Assassins” e “The Slaves Shall Serve”.

James Wasserman, Ordo Templi Orientis, Caliphate, The Slaves Shall Serve, Meditation on Liberty, The Templars and the Assassins, The Militia of Heaven


No verso de “The Templars…” do ano de 2001 William Breeze (chefe do 'Califado') e Michael Aquino (ex-chefe do Templo de Set) expressam suas recomendações; o trabalho, portanto, recebe um significado especial para todos os membros. Wasserman empreende um Tour de Force através da história dos antigos Cavaleiros Templários e constrói, como muitos Thelemitas da O.T.O., uma continuidade histórica até a O.T.O. O livro traz os antigos Assassinos, os Hashishim, para o drama. Os Assassinos de Hasan i Sabah eram muçulmanos, assassinos politicamente motivados que eliminaram seus inimigos políticos seletivamente.

Após o 11 de setembro, tais declarações tornaram-se naturalmente problemáticas. Como sequência, Wasserman escreveu seu segundo livro no qual relata a situação atual. Em “The Slaves Shall Serve”, de 2004, ele pede aos leitores que busquem armas: “Compre armas” e “Você DEVE ingressar na Associação Nacional de Rifles”.

Muitos Thelemitas mantêm uma preferência por muitos tipos de artes marciais, incluindo Ninjutsu, a arte japonesa historicamente associada a assassinatos e práticas ocultas. Tais atividades eles justificam de bom grado do Liber AL, que constantemente promove lutas, guerras e todos os tipos de cenários de Armageddon.
Wasserman vai agora muito mais longe e propaga um “militarismo, patriotismo”, “um forte interesse militar nacional decisivo” e o “conceito de cidadão-soldado autossuficiente”. Quais são os motivos dele?

O clamor de Wasserman por combate e seu apelo por armas andam de mãos dadas com o fundamentalismo religioso que atualmente paralisa a América – ou impulsiona o país, dependendo do ponto de vista de cada um. Wasserman sustenta que a América é o país mais livre do mundo, atualmente ameaçado por poderes das trevas e pode ser libertado apenas pelos ensinamentos de Crowley. Diante de ameaças reais e quiméricas, a fé Thelêmica torna-se novamente uma confissão ininterrupta e combativa. Wasserman compara os poderes do mal que atacam ou ameaçam a América com a versão Thelêmica de Satan = Choronzon, que representa tudo o que bloqueia o mago em seu caminho para a perfeição. Choronzon pode ser, portanto, tudo, uma mulher, uma idéia, o próprio Ego, o que quer que o Thelemita queira. Para Crowley, Choronzon era até mesmo um demônio completamente manifesto que podia ser evocado cerimonialmente. Wasserman prova claramente que muitos Thelemitas parecem ser fanáticos religiosos que se vêem como benfeitores e um tipo de raça superior. E isso deixa a pergunta: o que agora é o Mal para Wasserman?

Ele denuncia o governo dos EUA como um estado policial e de monitoramento, o FBI como infiltrado por “psico-fascistas” e também tem medo do domínio global dos “Islamo-fascistas” e das Nações Unidas. Ele não apenas é anti-europeu, mas em sua oposição ao comunismo até defende o caçador comunista Joseph McCarthy. Wasserman quer restabelecer a oração na escola pública, como se alguém pudesse simplesmente substituir a palavra Deus por uma divindade Thelêmica (Ra Hoor Khuit, talvez?). Ele se refere continuamente à John Birch Society, uma organização de direita que se opõe a uma “conspiração global”, e se autodenomina uma espécie de modelo Birch.

E ao contrário de todos os Thelemitas e membros da O.T.O. que conheço, Wasserman proclama abertamente: Torne-se ativo, escreva para políticos e jornais, compre e guarde armas.

Mas note: Wasserman vê uma linha de descendência da O.T.O de volta aos assassinos muçulmanos e adverte ao mesmo tempo sobre “Islamo-fascistas”? Aqui ele deve ter cuidado ou ele vai dar um tiro no próprio pé. Ele deve fazer uma distinção entre a matança seletiva dos Assassinos e a matança aleatória de Bin Laden. Mas essa distinção pode ser perdida de alguma forma, embora o assassinato seletivo de inimigos específicos considerados ameaçadores não pareça preocupar Wasserman.

Ele apela para a Declaração de Independência Americana, a Constituição dos EUA e a Declaração de Direitos, além de lançar a “Carta dos Direitos Humanos” (também conhecida como Liber OZ de Crowley), na qual o direito à livre expressão da vontade não é apenas exigido, mas também a autorização para matar aqueles que recusam esse direito é “concedida”.

Embora Wasserman não o escreva explicitamente, o leitor pode ter a impressão de que ele compara o 'Califado' com o grupo Waco, que ele defende. Você lembra? Uma pequena fazenda de cultistas, até o pescoço em armas, sitiada pelo FBI. Mulheres e crianças quase todas mortas. Wasserman parece usar essa tragédia para fomentar a paranóia e sugerir que o 'Califado' pode se tornar uma “vítima nobre” semelhante, a menos que os membros guardem armas até o alto de suas chaminés.

Para ser justo, nem todos os Thelemitas apoiam tais posições. Na verdade, conheci alguns membros de alto grau que se sentem envergonhados por Wasserman e consideram seus livros terríveis. No entanto, seu livro defendendo o assassinato islâmico ("Os Templários e os Assassinos") é vendido no site da Grande Loja dos EUA do Califado através de sua livraria online.


Ordo Templi Orientis Swing 93gamesstudio Reality in a Game Keith Taylor Weapons


Fonte: Keith Taylor http://www.93gamesstudio.com



O Sol por detrás do Sol

Ao contrário do Cristianismo e das outras religiões do mundo, Thelema não tem uma tradição antiga de hermenêutica, exegese ou apologética com milhares de anos. Também não há tentativa de construir tal tradição, porque tudo sobre Thelema, finalmente, sempre se refere à autoridade absoluta de Aleister Crowley.

"Aqueles que discutem o conteúdo deste Livro devem ser evitados por todos, como focos de pestilência. Todas as questões da Lei devem ser decididas apenas apelando aos meus escritos, cada um por si."




© P.-R. Koenig 2006/2011.
Tradução por Luiz Vieira, janeiro 2022.



Das Milieu des Templer Reichs — Die Sklaven Sollen Dienen. Hanns Heinz Ewers — Lanz von Liebenfels — Karl Germer — Arnoldo Krumm–Heller — Martha Kuentzel — Friedrich Lekve — Hermann Joseph Metzger — Christian Bouchet — Paolo Fogagnolo — James Wasserman. Unbequeme Aspekte in der Geschichte des O.T.O. und Thelema.


Also: Proto–Fascist Elements in the O.T.O.

Anonymous 2021: Burning Down The House. 'Caliphate', Argenteum Astrum, James Wasserman, Donald Trump.





Traduções portuguesas

Peter-R. Koenig: Introdução à Ordo Templi Orientis.
P.R. Koenig: Os Espermo-Gnósticos e a Ordo Templi Orientis.
P.R. Koenig: Criação Extática de Cultura.
P.R. Koenig: A Aura do Fenômeno O.T.O.
P.R. Koenig: O Ambiente do Reich dos Templários — Os Escravos Servirão.
P.R. Koenig: Fetiche, Auto-Indução, Estigma e Rôleplay.
P.R. Koenig: Versão Jogo de uma O.T.O.–Fatamorgana.
P.R. Koenig: Carl Kellner Jamais um membro de qualquer O.T.O.
P.R. Koenig: Theodor Reuss: Avô da Sociedade Antroposófica?
Theodor Reuss: Programa De Construção E Princípios Orientados Dos Neocristãos Gnósticos O.T.O. 1920.
T. Reuss: I° Grau.
P.R. Koenig: Carl Willian Hansen – Dinamarca.
P.R. Koenig: The History of the O.T.O. in America.

Marcelo Ramos Motta: Ritual de Iniciação do Grau I O.T.O.
Marcelo R. Motta: Carta A Um Maçon.
  • Marcelo R. Motta: Lettre à un maçon brãsilien.
  • Marcelo R. Motta: Letter to a Brazilian Mason UNEXPURGATED.
  • Bibliographic Note and Addendum to "Letter to a Brazilian Mason by Marcelo Ramos Motta".
    Marcelo Ramos Motta to Karl Germer, July 2, 1954.
    Marcelo Ramos Motta about Paulo Coelho and others.
    Marcelo Ramos Motta: The Development of a Secret Society in America in the Years 1957-2000.

    P.R. Koenig: O Conquistador do Graal.
    P.R. Koenig: Uma O.T.O. no Brasil.
    Euclydes Lacerda de Almeida - Marcelo Ramos Motta - Kenneth Grant: Documentos 1966-1997.
    Marcelo Motta palavras com Euclydes Lacerda de Almeida, 18 de dezembro de 1973.
  • Translation of Marcelo Motta's tape to Euclydes Lacerda, dated 1973.
  • Euclydes Lacerda de Almeida: Marcelo Ramos Motta — Um Enigma.
    Claudia Canuto de Menezes: Conheci Marcelo Ramos Motta nos idos anos 70.
  • Claudia Canuto de Menezes: I met Marcelo Ramos Motta in the 70’s.
  • Euclydes Lacerda de Almeida: Emails to P.R. Koenig.
    Marcelo A.C. Santos: A Verdadeira História do "Califado" no Brasil.

    Kenneth Grant/Eugen Grosche: Manifesto da Ordem Interna "O.T.O." Orientis Britânia 1955.
    P.R. Koenig: Kenneth Grant e a O.T.O. Tifoniana.
    P.R. Koenig: Plano 93 do Espaço Exterior.
    Michael Staley: O.T.O. Tifoniana — Uma Breve História.
    Kenneth Grant: Concernente ao Culto de Lam.
    Michael Staley: Lam: O Portal.
    Michael Staley: Um Instrumento de Sucessão.
    Michael Staley: Ã Um Vento Ruim que Sopra ...
    Michael Staley: Lam Workshop.
    Simon Hinton: Sua totalidade na Mente.

    Fernando Liguori: Influência Tifoniana.
    Fernando Liguori: A Influência Tifoniana na O.T.O. Brasileira.
    Fernando Liguori: A Tradição Tifoniana.
    Fernando Liguori: Ritual da Estrela Nu-Isis.

    P.R. Koenig: In Nomine Demiurgi Saturni.
    P.R. Koenig: Saturno-Gnose: A Arte de Amar e Viver.
    Fraternitas Saturni: A apresentação solene do Anel de Loja.
    Walter Jantschik: Magia Sexual Licantrópica.
    Walter Jantschik: A Animação do GOTOS.
    Walter Jantschik: A Ordo Baphometis. Uma ordem mágica hermãtico-gnóstica.


    Michael Staley, 2003: "Não existe 'Typhonian O.T.O.' Brasileira; nem nada semelhante a isto. Ninguãm está autorizado a representá-la em nosso nome, ninguãm tem nossa benção. Todas e quaisquer alegações são fraudulentas."
  • Michael Staley, 2003: "There is no Brazilian 'Typhonian O.T.O.'; nor is there likely to be. No-one is authorised to act on our behalf, no-one has our blessing. All such claims are fraudulent."




  • Voltar para a página principal da O.T.O. Tifoniana    |    página de navegação    |    página principal    |    contato    |    O que existe de Novidade no site da O Fenômeno O.T.O.?

    Mais sobre isso em: Andreas Huettl e Peter-R. Koenig: Satan — Jünger, Jäger und Justiz





    Search Parareligion Website






     

           Reuss' Memphis Misraim Emblem

    LAM — Typhonian O.T.O.




    Secrets of the Rosicrucians, Templars and the Illuminati

    Secrets of the Rosicrucians, Templars and the Illuminati, Peter-Robert Koenig










    Clique aqui para voltar de onde você veio ou use esta Barra de Navegação Java:

    Memphis Misraim Carl Kellner Spermo-Gnostics The Early Years O.T.O. Rituals Ecclesia Gnostica Catholica Fraternitas Rosicruciana Antiqua Fraternitas Saturni Typhonian O.T.O. 'Caliphate' Pictures RealAudio and MP3 David Bowie Self Portrait Books on O.T.O. Deutsche Beiträge Charles Manson Illuminati