Versão Jogo de uma O.T.O.-Fatamorgana


Peter-Robert Koenig

Este é um esboço resumido e traduzido de um subcapítulo do Der O.T.O.-Phänomen RELOAD.



De acordo com uma pesquisa acadêmica feita por Claudia Kowalchyk, que em 1994 observou cientificamente uma loja da OTO-Califado de Nova York, a maioria dos membros são caucasianos, educados como católicos,[1] freqüentemente vêm de lares com famílias divorciadas,[2] tem envolvimentos passados com drogas, tem ensino superior, enganam-se sobre ser politicamente independente, embora tendam a ser democráticos, e tem em média 36 anos. Eles permanecem por uma média de 6,5 anos na OTO-Califado. [3] O grupo carece de mulheres que são exigidas para o papel de sacerdotisa da Missa Gnóstica. Há uma atmosfera boêmia de artistas, que assim se autodenominam, e leem muito.



Em relação aos escritos antidemocráticos, racistas e misantrópicos: "A razão […] de certos aspectos de Thelema serem omitidos [de discussões públicas] indica o real problema em apresentá-la como uma religião e tentar fazer com que seja aceita por governos ou aprovada publicamente: Thelema está, no final das contas, em contraste com a sociedade preceptiva além de transgredi-la. Thelema rejeita a moral e os valores dela e age para transgredir e violar tais normas. Desde a inclusão de intoxicantes em rituais, passando pelo ponto de vista positivo em relação a sexualidade — que com freqüência é visto como incentivo à promiscuidade — aos aspectos pró-autoritários e Nietzscheneanos de Thelema, a sociedade preceptiva tem muito para rejeitar em Thelema e, reciprocamente, Thelema encoraja os seus simpatizantes a rejeitar muitos aspectos dessa sociedade." "Journal of Thelemic Studies", 1;2, 2008, pag. 40. Ver os Templários do Reich.


Estatísticas, AIDS, e Taxa de Suicídio


Os membros dos vários grupos da O.T.O. são muito pequenos em números, e dados de número de membros muito conflitantes estão disponíveis. Afinal, o que é um membro? Theodor "Reuss afirma nos graus VII°–X° que 'estes são os membros ativos reais da OTO, também chamada de Irmandade Hermética da Luz, ou Illuminati.' O título do IX° é Illuminatus Perfectus."[4] Em abril de 2004 os Estatutos revelam na página 15: "O O.H.O. atuante para a O.T.O.[...] é o Califa. O Califa sucedeu ao cargo de Califa por eleição pelos membros do Santuário Soberano da Gnose do IX°."


William Breeze Frater Superior Hymenaeus Beta X° Califa Califado O.T.O. Ordo Templi Orientis
Baphomet seal in the Ordo Templi Orientis






Como entrar no Soberano Santuário da Gnose?

"Eu compreendo que, ao realizar o Primeiro Grau, forjarei um vínculo com a Ordo Templi Orientis que durará enquanto eu viver."[5] "Não é incomum que 50–60% não resistam ao I°." [6]O mui talentoso, portanto, salta directamente para níveis mais altos.[7] Por exemplo: Sharon Morton foi feito um IX° provisório durante a iniciação ao I° de William Heidrick em 18 de abril de 1978. Grady Louis McMurtry estava tão bêbado que estava literalmente caindo e incapaz de ficar de pé. Heidrick estava nu no poço. Morton pediu a McMurtry para torná-la um IX°, para que a cerimônia pudesse continuar. Ele fez a imposição de mãos e desmaiou. Cinco meses depois, Heidrick tomou o IX° Provisório em 25 de setembro de 1978, II° em 30 de abril de 1979, III° em 29 de maio de 1979, IV° em 31 de julho de 1980, V° em 3 de setembro de 1983 e, então, saltou diretamente para o IX° Pleno em 12 de julho de 1985.

Uma fonte anônima "me disse [Dave Evans] que ele acredita que a O.T.O. está 'esquentando os livros' e os números incluem todos os membros que alcançaram progresso para um grau superior na organização; portanto, um membro que progride em cinco graus sucessivos ao longo de um período de tempo seria contado 5 vezes, distorcendo assim os números."[8]

Andrea Bacuzzi foi incluída nas estatísticas como VIII° com o único propósito de incluir o diploma nas estatísticas, isso ela me disse pessoalmente em abril de 1988.[9] Ela também é um IX°, indicando que os números reais dos membros são menores do que os números sendo alardeados com pelo menos um IX° também registrado como grau inferior. A Sra. Bacuzzi admite que, no Califado, muitas vezes os altos graus foram conferidos em primeiro lugar, e os níveis mais baixos, se necessário, foram concedidos retrospectivamente.[10] A declaração de Breeze de que ele foi o primeiro homem do mundo a passar por todas as iniciações do 0° ao X°, é recebida com sentimentos mistos[11]... Considerando que a maioria desses rituais só se tornaram acessíveis por meio de um livro vendido publicamente.[12] Os desaparecidos (KEW, KRE,[13] VII°-XI°) foram escritos pela Alta Administração do Califado.[14] Isso parece ser legalmente exigido de acordo com a fórmula 'Onde não há ritual, não há diploma, não há taxa de adesão.'

O que sabemos sobre o número de afiliados?
James Graeb, por ocasião da eleição de William Breeze como Califa, realizada em 1985, disse que McMurtry "deixou uma Ordo Templi Orientis com setecentos membros conosco, o IX°, com direito a voto nesta organização."[15] O número mundial em 29 de fevereiro de 1988: "Associados 170, Minervais 397, I° 238, II° 154, III° 97, IV° 35, V° 40, VI° 1, VII° 0, VIII° 1, IX° 13."[16] De acordo com o testemunho oral de um dos diretores ingleses do Califado, Clive Harper, em 1993 havia 800 membros em todo o mundo.[17] Para o mesmo ano, William Heidrick lista 2.288 membros (estatística feita em fevereiro de 1993).[18]

Em 2000, Heidrick escreveu sobre as taxas de AIDS e suicídio: "Mortalidade recente de membros: Uma morte conhecida relacionada à AID's [sic] em fevereiro deste ano. Seis mortes em 1999: uma creditada a suicídio e uma provável suicídio. Doença de repouso ou não detalhada (geralmente doença ou acidente nesses casos). - Nove mortes em 1998: dois suicídios, um creditada a ser overdose de drogas e o resto doença. - Sete mortes em 1997: três tiros de terceiros (um provavelmente em legítima defesa), um AIDS e o resto doença. - Três mortes em 1996: uma overdose de drogas, o restante doença. - Três mortes em 1995: um assassinato na prisão (associado ADV), um suicídio, uma doença. - Quatro mortes em 1994: dois suicídios, um acidente, uma doença. - Cinco mortes em 1993: duas AIDS, um provável suicídio, o restante doença. - Os suicídios tendem a ser mais frustração romântica do que econômica ou simplesmente demencial. Anteriormente, com mais frequência econômica. - As mortes por AIDS diminuíram por um tempo, mas foram retomadas nos anos 90. A maioria das mortes foi causada por câncer ou problemas cardíacos. As mortes violentas parecem ser mais comuns do que eram antes dos anos 90”.

Heidrick continua: "Houve relativamente poucos assassinatos ao longo dos anos desde que comecei a gravar no final dos anos 1970. Os suicídios atingiram o pico apenas na presidência de Regan [sic], quando o bem-estar e a assistência médica foram cortados."

Heidrick registrou em suas estatísticas anuais de 2001: 3'895 membros, dos quais 2'960 são iniciados. ADVs[19] 200, Associados 735, Minervals 946, Iº Graus 734, IIº Graus 468, IIIº Graus 369, IVº Graus 238, Vº Graus 124, Graus Superiores 81. Para 2003: 3'274 membros em alegados 47 países. Mais detalhes são deduzidos de relatórios internos: Em 2002, havia 89 membros de alto grau. Grau alto = VI° e superior. Membros votantes do Areópago (IX° que também têm o VIII°) em 1999: 26.

Desde 2003, as figuras não são publicadas em detalhes, já que Heidrick, que as havia compilado anteriormente, está agora totalmente comprometido com o trabalho de arquivamento. Até 2003, ele era o único responsável pela transparência nas questões estatísticas.


Renovação das Estatísticas 2002–2008


John L. Crow, um amigo de Allen H. Greenfield (mais sobre ele abaixo), criou em 2005 uma nova estatística que infelizmente não dá mais uma divisão por país, mas revela percentuais.[20]

Statistics for the Ordo Templi Orientis



Enquanto isso, novos oficiais foram introduzidos. Há um Ouvidor, um Oficial de Informação Pública, um Coordenador de Voluntários. Novas guildas foram construídas, por exemplo Carpinteiros, há a Guilda dos Tradutores, a Guilda dos Psicólogos, o Ministério da Prisão, um Comitê de Educação (apenas para professores) e uma Guilda dos Profissionais Jurídicos (para advogados).

Allen H. Greenfield, VII°, não concorda com o desenvolvimento e interpretação dos números oficiais. Ele culpa William Breeze. [21]

"Na época em que escrevi este memorando [abril de 2006], a população mundial era de 6.477.451.000. O número de membros da O.T.O. era, talvez, 3.000. A população dos Estados Unidos, onde a O.T.O. teve seu maior sucesso até agora, é de pelo menos 298.444.062. […]O número de membros da O.T.O. é, possivelmente, 2.000 e não está crescendo de forma apreciável - nos níveis mais altos, essencialmente, não está crescendo de todo. Há um argumento que diz que é assim que deveria ser, que os membros precisam ser 'poucos e secretos' para que possam 'governar' (de forma mal definida) 'os muitos e os conhecidos' - mas em um mundo de 300 bilhões, uma organização não muito maior do que, digamos, o Partido Socialista dos Trabalhadores e muito menor do que, digamos, os seguidores do rastafarianismo não é apenas pequena, mas quase não existe. A afiliação mundial da O.T.O. é apenas ligeiramente maior do que, digamos, a Sociedade de Cultura Ética de Nova York (http://www.adherents.com/ Na/Na_470.html), da qual é dito de maneira reveladora, 'A Sociedade para a Cultura Ética de Nova York cresceu continuamente até atingir seu número atual de 1150 membros.' A noção de que trinta e cinco anos depois de McMurtry ter iniciado a revivificação da O.T.O., a Ordem está se tornando a 'organização principal para a reforma mundial' é um absurdo embaraçoso. Acrescente a isso o fato provável (a alta administração da OTO parece altamente resistente a qualquer pesquisa demográfica abrangente) de que a maioria dos membros da O.T.O. parecem ser marginalizados, indivíduos essencialmente impotentes, e o absurdo se torna uma mistura de coisas sem sentido. No mundo pós 11 de setembro, pode até ser considerado um absurdo perigoso."

Greenfield compara a O.T.O. ao terrorismo. "Os fanáticos islâmicos tiveram muito mais influência nos eventos mundiais do que a O.T.O. teve em toda a sua história, desde a ativação de seus poderes de emergência por McMurtry. Não é competitivo nem no mundo das idéias nem no mundo das atividades práticas. Não se tornou tanto maléfica devido sua irrelevância sob sua atual administração superior."

Ele fala como um insider."Eu já havia servido à O.T.O., a Ordo Templi Orientis em sua encarnação atual por quase vinte anos na época do ataque, primeiro como um indivíduo privado convidado pelo mestre local para organizar a Ecclesia Gnostica Catholica no sul dos Estados Unidos, virtualmente do zero, então como Secretário da Loja, único bispo residente consagrado por muitas centenas de milhas ao redor, então como Mestre da Loja e, finalmente, na última década, como Soberano Grande Inspetor Geral e Soberano Mais Sábio de um dos Capítulos Rose Croix no mundo. Quando o indivíduo elevado ao cargo de Grande Mestre Geral dos EUA, Sabazius [David Scriven], escolheu fazer seu primeiro membro pleno tripartido do VIIº Grau, eu fui o membro que ele escolheu. Por algum tempo, tive boas relações sociais - até mesmo íntimas - com o Chefe Externo Interino da Ordem, conhecido como Hymenaeus Beta [Breeze]. Fui um convidado na casa de ambos esses homens, assim como eles foram na minha. Foi, portanto, não sem hesitação que passei a ver seus esforços em fazer da Obra particular da qual eram exclusivamente encarregado na O.T.O. em seus documentos de fundação e mais básicos, como sendo um esforço sombrio, mal concebido e mal executado que trouxe, sob sua liderança, o tipo de fracasso quase total que caracterizou muitas sociedades marginalizadas com pretensões ao conhecimento oculto. A decisão de transformar uma forma excêntrica e radical de Escola Maçônica no próprio coração da tradição esotérica autêntica em uma sociedade religiosa bastante convencional com uma base extremamente estreita e impacto social zero foi gradual, e teve seus críticos em cada nível de seu desvio do programa central da sociedade."
[…]

Greenfield lista os erros que, em sua opinião, foram cometidos na Alta Administração do Califado.

(1) INCORPORAÇÃO - O movimento em direção à incorporação foi algo que sempre considerei em conflito com os postulados radicais do programa essencial da O.T.O. A incorporação, é verdade, oferece certos benefícios fiscais e, mais questionavelmente, proteções legais, mas faz com que a organização faça parte do próprio paradigma social que seu programa busca suplantar. Ao se colocar dentro do sistema, um corpo tende a ser absorvido pelo sistema.[22] O programa da O.T.O., sua gnose central e estrutura conceitual não são receptivos à conformidade social. Ela pode - pode - ser capaz de ser uma 'entidade legal' sem gradualmente se comprometer a fazer parte do próprio paradigma que postula como o de um velho 'Aeon', mas isso exigiria uma administração extraordinária e lúcida. Não teve isso, e parece consistir em grande parte de membros socialmente marginalizados, atraídos pelo programa essencial que foi gradualmente eviscerado em uma casca vazia daquilo que se pretendia como sua realização.

(2) LITIGIOSIDADE - Sem discutir os méritos jurídicos ou a utilidade tática de quaisquer casos jurídicos individuais em que a O.T.O. se envolveu, por envolver-se repetidamente, a alta administração parece ter confundido a linha entre os objetivos essenciais da Ordem, conforme descrito nos documentos básicos e seus objetivos legalistas. Nenhum esforço para controlar o fluxo de informações, confidenciais ou não, resultou em qualquer controle verdadeiro - a Internet de certa forma zombou de tais esforços, mesmo supondo que a restrição do fluxo de informações seja vantajosa para os fins da Ordem, isso é em si uma proposição discutível. Além disso, a alta administração aparentemente está em processo de se comportar com o que parece para alguns - eu inclusive - uma entidade corporativa litigiosa, afundada em um corpo excessivamente autoconsciente, indevidamente preocupado com possíveis ações legais contra ela, incluindo questões que são, em minha opinião, inconsistentes com a história da Ordem e qualquer precedente legal. Isso, por sua vez, sobrecarregou os órgãos locais operativos da Ordem com uma massa de regras burocráticas, uma montanha de papelada e até mesmo um esvaziamento presunçoso dos rituais de iniciação e da imagem pública da Ordem, a Missa Gnóstica. Como mais de um membro graduado observou para mim, 'A O.T.O. agora é administrada por seus advogados.' Isso é totalmente inaceitável, pois é totalmente incompatível com os objetivos numinosos e progressistas e a metodologia descritos nos documentos básicos.
[…]

(5) INICIAÇÃO - Mais prejudicial é a falha de iniciativa da atual alta administração. Um estudo da repartição estatística dos graus mostra um crescimento quase plano, se é que pode ser assim chamado, nos últimos anos, e virtualmente nenhum crescimento nos graus mais elevados. Se, como Crowley indicou, o propósito evidente da Ordem é preparar indivíduos para a iniciação, a administração atual é um fracasso e deve renunciar. Aleister Crowley afirmou que '... a questão realmente vital é o progresso gradual em direção à divulgação do Segredo do Nono Grau'. Se alguém descontar aqueles nonos graus interinos conferidos pelo Major McMurtry antes de meados dos anos 1980, dos vários milhares de membros que estão ou estiveram na O.T.O. sob o atual Frater Superior Interino, apenas uma pequena fração de 1% foi elevada sob seu comando. É estatisticamente quase impossível se tornar um Nono Grau na OTO, e os fundamentos para conferi-lo estão, na melhor das hipóteses, sujeitos a questionamento e exame minucioso."[23]

Gráfico de Allen Greenfield:

Allen Greenfield Statistics for the Ordo Templi Orientis



Allen H Greenfield, Inquisition in America, Secret Rituals of the Men in Black, Secret Cyphers of the UFOnauts, The True Quest for the Holy Grail - The Western Sex Magick Tradition, Tau Sir Hasirim, Neopythagorean Gnostic Church, Gnostic Catholic Church, Ordo Templi Orientis, O.T.O., Society for Psychical Research, National Investigations Committee on Aerial Phenomena



Censo 2007


Após a publicação de sua interpretação das estatísticas, Greenfield (pouco antes de ter se envolvido na expulsão de James Graeb) [24] também foi expulso [25] por um comitê de Inquisição anônimo sem ser consultado ou ter tido possibilidade de defender [26] a si mesmo. Foi considerado uma afronta ele ter publicado seus dados, gráficos e conclusões na Internet "onde Peter Koenig [...] pudesse ver".[27]

Amigo de Greenfield e também membro, John Crow, sofreu o mesmo destino em março de 2007. [28]O site members.cox.net/heru–ra–ha/, que foi fechado em fevereiro [29]contribuiu para que o destacado membro Geraldo de Campo também deixasse a Ordem.

Em novembro de 2006, a sede do Califado emite novas diretrizes para seus membros: "A O.T.O. é uma Ordem religiosa hierárquica que dá uma forte ênfase na disciplina de estilo militar nos níveis superiores. Reclamar abertamente sobre a Ordem em vez de abordar individualmente quaisquer questões que você tem através do Caminho da Mediação pode resultar em consequências das quais você não gostará."[30]

As ordens de censura rígida congelam os membros em um modo único de apresentação: "Preocupada com as constantes críticas dos oficiais do USGL e com o aumento vertiginoso de perguntas sobre a legitimidade e justiça da Ordem e de seu Grande Tribunal na blogosfera, a Grande Loja dos EUA, da O.T.O., criou um novo comitê de revisão de postagem no blog. O comitê recebeu a tarefa de aprovar as postagens de membros da O.T.O. em seus blogs. Um membro do Grande Tribunal, que pediu para permanecer anônimo, descreveu a nova iniciativa como 'uma forma de impedirmos qualquer informação não fraterna ou falsa sobre a Ordem e seus oficiais de entrar na blogosfera e causar danos à Ordem e seus membros.' Quando questionado sobre qual padrão o comitê usaria para filtrar as postagens, o oficial anônimo respondeu: 'qualquer coisa que faça a Ordem ou seus líderes parecerem ruins ou que fira os sentimentos de alguém'.

O comitê recém-criado tem trabalhado com a Guilda de TI para criar um sistema pelo qual os membros da O.T.O. inserem as informações da conta do blog e, em seguida, carregam a postagem. A postagem vai para uma fila para ser analisada pelos membros do comitê. Depois de aprovado, o post será adicionado automaticamente ao blog do membro do pedido. O sistema também permite que os membros do comitê excluam e modifiquem retroativamente as postagens se algo que foi considerado inofensivo anteriormente for posteriormente considerado não fraterno ou falso. O prazo estimado para o processo de pós-aprovação é de 30 a 45 dias. Quando um membro da Guilda de TI foi questionado sobre por que tanto tempo para revisar as postagens, ele respondeu, 'olha, os membros do comitê têm vidas; eles são voluntários fazendo o melhor que podem.'

O sistema deverá estar ativo até o próximo solstício e será voluntário para os membros da USGL até que seja revisado e aprovado pelo Areópago. Espera-se que isso aconteça em abril de 2008. Então, os membros terão 60 dias para cumprir o requisito obrigatório de envio de postagens no blog ou enfrentarão acusações do Grande Tribunal. Quando questionado se este sistema era uma violação da liberdade de expressão do membro da Ordem ou dos direitos de Liber OZ, o membro anônimo do Grande Tribunal lembrou a todos, 'a Ordem não é uma democracia, vocês sabem.'"[31]

"...oficiais da Grande Loja dos Estados Unidos e seus aliados políticos tentam encerrar as discussões sobre vários assuntos incômodos. Por exemplo, a USGL costumava ter uma lista de correio privada conhecida como 'Bodymasters' para a discussão de questões de gestão de órgãos locais, mas esta lista foi sumariamente encerrada, com a explicação pouco convincente de que 'não era mais útil', no meio de um discussão ativa que o USGL não queria que as pessoas tivessem. Discussões em outras listas de e-mail, bem como fóruns baseados na Web como o LiveJournal, foram restringidas de maneiras menos drásticas, como oficiais do USGL simplesmente desencorajando sua continuação com afirmações vagas, mas ostensivamente nobres de que a discussão era 'inadequada' de alguma forma. Isso é praticamente tudo que eles podem fazer, uma vez que, ao contrário do governo chinês, a O.T.O. não controla a conexão de Internet de ninguém."[32]



As estatísticas de Greenfield mostrando um declínio no número de membros desde 2000, levaram a um debate acalorado nas fileiras superiores do Califado. Richard Kaczynski[33] produz um novo cálculo e interpretação em seu blog. Uma vez que o Califado se colocou na vizinhança de acadêmicos e maçons, sua análise em 20 de julho de 2008 é o seguinte:

"Desde que foi revivido por Grady McMurtry, a O.T.O.-Califado iniciou 13.000 pessoas em todo o mundo. Pense nisso. Estamos falando de um período de aproximadamente 35 anos, a mesma quantidade de tempo entre Crowley se tornar Grão-Mestre do Reino Unido (1912) e a época em que ele morreu (1947). Não tenho uma lista de todos os membros da OTO durante a vida de Crowley (seria interessante compilar), mas ficaria surpreso se chegasse a 200. Então, nos 35 anos de Crowley na O.T.O., cerca de algumas centenas de pessoas foram iniciadas. Nos últimos 35 anos, a O.T.O. iniciou treze mil. [...]

[...]o Grande Tesoureiro Geral dos EUA explicou que a USGL havia endurecido seus critérios para contagem de membros 'atuais'. Qualquer pessoa com mais de 1 ano de atraso nacionalmente pode ser considerada anulada (6 meses para Minervals). [Isso já fazia dois anos.] Esse novo critério deixa os membros ativos da O.T.O. em todo o mundo com 3.407 [fonte: O.T.O. IHQ GTG]. Combinando o número total de indivíduos iniciados e a afiliação atual (3407/13000), chegamos a 26% de retenção de membros."

Kaczynski compara os números do Califado com os dos maçons, usando seu guia de recrutamento "75 maneiras de atrair e reter novos membros: Um Manual para Líderes de Organizações Maçônicas".[34] Ele começa citando seus dados:
  • “'mais de 80% dos membros não estiveram presentes ou ativos em sua loja por anos' (Guia 2, p. 5)
  • 'após o primeiro ano, mais de 80% de todos os novos membros deixam de retornar às reuniões e permanecem ativos em sua loja' (Guia 6, p. 9)..
  • 'na maioria dos alojamentos na América do Norte, apenas cerca de 15% são ativos' (Guia 2, p. 5)."


Kaczynski conclui que a taxa de retenção oscila entre 15% e 20%, situando-os ainda mais próximos dos 15% por considerar que “mais de” 80% desistiram do quadro. Em seguida, ele compara as descobertas da OTO a estes números:

"Como se compara a retenção da O.T.O. de 26%? Claro, é um número maior do que 15-20%, mas é consideravelmente maior ou basicamente no mesmo nível? Para isso, recorremos ao teste "z" de uma amostra proporcional. Assumindo que 20% é a norma, então a retenção de 26% da O.T.O. entre 13.000 membros cai para 16,08 de desvios padrão acima da média. Se assumirmos que 15% é a norma, então 26% cai para 29,04 de desvios padrão acima da média. Assim, uma taxa de retenção de 26% é espantosamente maior do que 15% ou até 20%. (Tecnicamente falando: se assumirmos que a taxa de retenção real para organizações fraternas é de 20%, então as chances são menores que uma em um milhão de que os 26% relatados pela O.T.O. não se devam a nada mais do que variação aleatória."

Kaczynski rejeita a ideia de que ambas as organizações têm a mesma taxa de retenção. Ele acredita que os membros restantes da O.T.O. devem ser consideravelmente mais altos, e seu raciocínio é uma combinação para o seguinte:
  • "Visto que é possível se tornar um Mestre Maçom (III°) em 2-3 meses, os membros podem chegar a um 'fim da linha' psicológico mais cedo. (Para atingir o grau de Mestre Mágico IIIº da OTO leva pelo menos 1 ano 9 meses, embora normalmente mais longo).
  • De acordo com os "75 Caminhos" mencionados acima, dois terços (66%) dos que abandonaram a Maçonaria indicam que sua razão é 'que a Maçonaria não era o que esperavam'. Nenhuma estatística comparável está disponível para O.T.O. [!], embora minha experiência anedótica [!] como um past master concorda com isso: A grande maioria das pessoas que abandonam a O.T.O. o faz porque descobrem que não é o que procuravam e saem em termos amigáveis. O que é interessante sobre aqueles que deixam a Maçonaria é que esses 2/3 elaboram que 'eles não estavam preparados para a iniciação, isso os surpreendeu e eles se sentiram desconfortáveis. A iniciação foi muito desconfortável para muitos. Disseram que ninguém lhes havia dito o que esperar e isso os incomodava e até embaraçava. (Guia 6, p. 5). Dado que a esmagadora maioria daqueles que se juntam à O.T.O. estão interessados ​​e provavelmente têm alguma experiência em magia cerimonial, parece improvável que os membros da O.T.O. citariam 'estar despreparado para a iniciação' como sua razão para sair.
  • Ao contrário da Maçonaria, a O.T.O. inclui funções iniciáticas e eclesiásticas, que podem oferecer aos membros mais incentivo para permanecerem ativos. Da mesma forma, as ofertas de rituais, aulas e outros eventos dos órgãos locais da O.T.O. podem fornecer mais benefícios aos membros do que os órgãos maçônicos, que são mais orientados para atividades sociais e de caridade. [Em uma pesquisa sobre a Maçonaria, a grande maioria disse que aderiu porque queria mais amigos (85%) ou conexões (100%, Guia 2, p. 9); além disso, 92% disseram que 'os esforços de caridade foram importantes para sua adesão', Guia 3, p. 7).]
  • Uma vez que admite homens e mulheres como membros, os membros da O.T.O. podem sofrer menos pressões domésticas do que os membros de uma organização exclusiva como a Maçonaria. [Em um estudo com membros em potencial, 85% dos homens disseram 'eles não iriam se filiar a uma organização que não permitisse mulheres como membros', Guia 2, p. 9.]

[…]

Hmm, acho que acabei de escrever uma tese de mestrado para eles. ;o)"[35]


O Califado redefine o conceito de adesão. Aqueles que não pagam taxas vão parar na lista de "relatório de status negativo". Irritante para alguns membros, no entanto, é que mesmo aqueles que deixam a Ordem, a partir de Agosto de 2008 também acabarão na referida lista de "relatório de status negativo". Outros refinamentos são introduzidos:

"Ex-membros com status 'persona non grata' (PNG) não estão autorizados a participar de qualquer evento oficial da O.T.O. dentro dos EUA - mesmo aqueles de acesso público - a menos que especificamente autorizado a fazê-lo por resolução executiva. O status PNG é automático quando um membro é expulso (ou tem sua filiação dissolvida pelo O.H.O.) ou renuncia à filiação em qualquer uma das seguintes condições:

1.   enquanto devidamente suspenso da filiação por justa causa,
2.   enquanto estiver proibido de participar de eventos oficiais da O.T.O.,
3.   durante o curso de uma investigação da Grande Loja envolvendo possível ação disciplinar contra eles, ou
4.   após fazer uma séria ameaça de violência contra qualquer pessoa.

Resoluções autorizando PNG a participar de um evento serão consideradas pelo Executivo, caso a caso, e devem ser solicitadas por um chefe de órgão local ou S.G.I.G. em uma comunicação ao Grande Secretário Geral.

O GTG mantém uma lista de PNG e pode responder a consultas de representantes LBMs e USGL sobre o status de indivíduos em PNG.

Os LBMs têm o poder e a autoridade de excluir ou remover qualquer não membro de qualquer evento da O.T.O."[36]


Algo que permanece inalterado: "A O.T.O. não exige ou rastreia o envolvimento real de seus iniciados nas atividades do corpo local. Um membro que paga suas taxas à GL todos os anos, mas nunca aparece em nenhum órgão local, não sofre censura e pode continuar assim indefinidamente. Uma organização séria exigiria muito mais dos membros do que o pagamento de anuidades e faria a distinção entre contribuição ativa e simples pagamento de anuidades."[37]


... e a Mídia


Em 1946, Grady Louis McMurtry desenvolveu o documento de estratégia "Campanha para limpar o nome de Crowley" [38] com sugestões de como se livrar dos desagradáveis ​​relatórios críticos. O objetivo não deixou perguntas sem fazer: "Política: limpar o nome de Crowley da calúnia instigada por jornalistas fanáticos e propagada pela imprensa sensacionalista." Crowley seria declarado como "o mártir literário da Inglaterra" e "uma das primeiras vítimas do fascismo". Uma agência em Londres seria contratada para conduzir a campanha de limpeza.

Em 2007, 60 anos depois, um Frater Stilifo, membro japonês em Kanagawa,[39] em sua vida mundana, um jornalista e consultor de mídia para políticos estaduais e nacionais, auxiliou a O.T.O. com sua experiência profissional ao definir na mídia a ordem como um sistema mágico. Seu artigo na "Sexta Bienal Nacional da Ordo Templi Orientis Conference" em Salem, Massachusetts, que foi publicado dois anos depois, prepara oficialmente os membros para o contato com a imprensa, que é chamada de "bode" que precisa ser alimentada. Stilifo conceitua o mundo da mídia considerando Crowley como estando no zeitgeist dos anos 1950 e oferece como remédio a estratégia desenvolvida por Edward R. Murrow: [40] para tornar invisível um público para o qual você tem que contar uma história que você já resumiu internamente em doze palavras. Os thelemitas e membros da O.T.O. devem ser bem versados ​​e preparados para o caso de, mais cedo ou mais tarde, se encontrarem com a imprensa faminta. Qualquer traço de espontaneidade é rejeitado:

"... conheça a pessoa que está entrevistando você. Verifique o histórico do repórter e obtenha amostras de seu trabalho com antecedência. Conhecimento é a chave. Tenha notas à mão se lembrar de fatos e números não for seu forte. Mais importante, tenha algo a dizer que você planejou com antecedência. Mantenha uma boa postura. Não se inquiete. Aparente o seu melhor. Aja como alguém que tem um propósito na existência. Vista-se de acordo. Olhe nos olhos da pessoa que está entrevistando você. O contato visual é fundamental, como em qualquer outra arte marcial. Só para garantir, comece cada entrevista com uma declaração do tipo: 'Quero deixar claro que não estou falando em nome de nenhuma organização ou outra pessoa. As opiniões que estou expressando são exclusivamente minhas'."

Em caso de má divulgação, existe uma receita:

1.   "Ignore e esqueça. Espero que desapareça.
2.   Escreva uma carta ao autor da história.
3.   Escreva uma carta ao editor, especificando para não publicá-la.
4.   Escreva uma carta ao editor, especificada quanto à publicação.
5.   Faça uma contra-entrevista com outra organização de notícias.
6.   Exija uma retratação pública.
7.   Divulgue sua própria história antes da negativa.
8.   Tome uma ação legal e/ou reclame com patrocinadores comerciais e outras partes relevantes em uma campanha/boicote organizado."


No contexto legal: "nunca use a palavra 'M'. Nunca. Chamar alguém de 'mentiroso' publicamente tem todos os tipos de ramificações legais. A menos que você possa provar em um tribunal de justiça que alguém é um mentiroso, é melhor não chamá-lo de mentiroso. Você pode dizer 'o que eles estão dizendo é falso e sem mérito', ou algo semelhante. Isso funciona. Mas nunca, jamais, chame alguém de mentiroso."[41]

A fim de lidar com disputas entre ordens, a revista oficial "Agape" oferece opções de solução complicadas com base em organogramas.[42]

Em 2007, o Califado enviou um "Plano Estratégico da Grande Loja dos EUA" para seus membros.

"Aumentar a exposição da O.T.O. e Thelema na imprensa alternativa e convencional." "Avaliar os esforços de resolução de conflitos por meio de rastreamento estatístico centralizado." "Desenvolver um formulário para implementar relatórios anônimos de problemas e resultados de resolução de conflitos para o Grande Conselho Supremo." VISÃO: Promoveremos relacionamentos harmoniosos e construtivos com os setores acadêmico, empresarial, civil e outros grupos sociais nos quais operamos. Objetivo: Estabelecer diálogo com a comunidade acadêmica. Objetivo: representar a O.T.O. positivamente e fornecer informações precisas para pesquisadores acadêmicos. Estratégia: alistar membros que fazem parte da comunidade acadêmica (professores, pesquisadores, estudantes de pós-graduação) para se relacionarem com acadêmicos que estudam ocultismo, Thelema e O.T.O." "Estabelecer relacionamento com uma comunidade de caridade mais ampla. Objetivo: aproveitar os benefícios disponíveis para organizações 501 (c) (3). Estratégia: Pesquisar e identificar organizações, programas, bolsas que possamos participar." [43]

"'Vamos enfrentá-lo', Bill [Breeze] proferiu, após um silêncio constrangedor, 'o futuro de Thelema pertence aos acadêmicos. Somos o passado.'"[44]

Assim, Richard Kaczynski lamenta quando Gerhard Mayer em "Magic, Ritual and Witchcraft" em seu artigo "Magicians of the Twenty-First Century: An Attempt at Dimensioning the Magician's Personality", [45] escreve na nota de rodapé 15: "Por exemplo, na Alemanha, seria dificilmente concebível que um autor acadêmico como Richard Kaczynski, que também publicou vários artigos em revistas médicas respeitadas, pudesse dar palestras para grupos de ocultismo e escrever artigos para revistas de ocultismo sob seu nome real."

Kaczynski: “No contexto do artigo de Mayer, essa discussão leva ao debate interno-externo na pesquisa (especialmente na religião), onde alguns argumentam que trabalhos acadêmicos feitos por “internos” são de alguma forma menos legítimos ou válidos por causa da suposta dificuldade de alcançar a objetividade. No entanto, a sugestão de que um "estranho" é de alguma forma mais objetivo e preciso é uma falácia. [...] Os internos têm a vantagem de uma maior familiaridade decorrente de seu interesse pessoal. [...] Parece que o debate entre interno-externo é mais contencioso quando se trata de NMRs [Novos Movimentos Religiosos], e menos ainda com as religiões estabelecidas. [...] Em última análise, a distinção entre interno e externo diz respeito a diferentes abordagens com diferentes pontos fortes e fracos. Isso é verdade para qualquer metodologia científica, e a ciência depende de estudos que corroboram com metodologias complementares para chegar à verdade." [46]


Decoração


Com os Projectos Seti, os ouvidos não são apenas focados nas estrelas,[47] mas também em todos os sons terrestres: na música "Scarlet Woman" de Chakra, uma voz pode ser ouvida, supostamente a de Kenneth Grant (1924-2011). Um trecho de um manuscrito não publicado de Dominik Tischleder: "What Is Occulture", Versão 4.4.2010:

"Chakra: Scarlet Woman, 7" Vinyl, Marabo Records. Uma mulher que participou da gravação anotou suas memórias para mim em um e-mail. Aqui estão alguns trechos: 'Bob me apresentou a Kenneth Grant um dia, no pub Prince Albert na Golders Green Road, onde eles costumavam se encontrar com frequência. Este pub era frequentado por artistas, músicos e atores, como Ian Hendry, que morava na esquina. […] O escritor John Symonds também aparecia ocasionalmente, o que provocou uma conversa estimulante entre todos nós. […] Ken Grant era um verdadeiro cavalheiro, agradável e charmoso, mas havia muito mais nele. Ele possuía uma qualidade realmente enigmática, uma misteriosa sensação de "alteridade". Ele tinha um ar hipnótico. […] Bob fez algumas litografias para incluir no livro de Ken e também pintou seu retrato. Bob leu os livros de Ken e houveram muitas discussões sobre ocultismo e o artista Austin Osman Spare. Ken veio a nossa casa para ouvir as canções que Bob havia escrito. Então, um dia, Ken quis saber se Bob poderia fazer algo com alguns acetatos que tinha de Aleister Crowley, recitando seus poemas O Pentagrama e La Gitana. Ele queria transferi-los para o vinil. Isso se tornaria o lado A do single. A voz do 'mestre' pôde ser ouvida novamente, décadas após sua morte. Kenneth perguntou se Bob poderia escrever uma música para o lado B, baseada na amante de Crowley, também conhecida como Mulher Escarlate. Então Bob foi embora e escreveu as letras e depois as colocou na música. Ele organizou uma sessão em um pequeno estúdio em Hayes, Middlesex. Bob cantou e tocou violão. Kenneth Grant, Janice Ayers e Mike Magee cantaram o refrão, um encantamento. Lee Abbott, da banda Magna Carta, tocava baixo. Na bateria estava Martin Curtis, que se sentiu um pouco confuso com tudo isso. […]“


Na Itália houve por um tempo o Selo Musica Maxima Magnetica, que lançou gravações de membros do Califado (por exemplo, Alberto Moscato, Philippe Pissier, Mathieu Léon). No Texas, a loja feminina local do Califado conduziu um coro a cappella cantando canções thelêmicas.

Rodney Orpheus, vocalista da banda The Cassandra Complex é um músico proeminente dentro do Califado.

A mais influente de todos eles é a Psychic TV, cuja conexão direta com a O.T.O. é mostrada pela primeira vez com sua peça "Looking for the O.T.O." tocou ao vivo em 1981. Mais tarde, a música foi publicada em "Mission Of Dead Souls", Fetish Records, 1981. O protagonista da Psychic TV, Genesis P–Orridge, de vez em quando publica discos junto com William Breeze. A experiência de P–Orridge remonta ao grupo britânico de performances Coum Transmission. P–Orridge também é um expoente da questão de gênero desde o início da adaptação cirúrgica de sua esposa.

Breeze também colaborou artisticamente com Angus Maclise (co-fundador do Velvet Underground) e toca viola em álbuns e com Splinter Test, desde 1997 Breeze gravou como membro do Coil e os acompanhou em turnês pela Europa. As colaborações de Breeze também incluem o Hafler Trio e Current 93 (cujo cantor, David Tibet/David M. Buntig, foi membro da T.O.T.O. por alguns anos e a partir de 2006 é membro do Gabinete do Califado. (Breeze toca viola nesta banda). O principal papel de Tibet no Gabinete de Breeze parece consistir principalmente em comentar publicamente sobre cada "publicação de Crowley". [48] Em 2006, a Current 93 publicou um CD no qual não apenas Breeze toca, mas que também apresenta Marc Almond (ex-membro da ordem de P–Orridge, The Temple ov Psychick Youth) e Antony de Antony and the Johnsons, cantando. No CD "Safe Inside The Day", de Baby Dee, lançado em 2008, também tem Breeze tocando viola.


Stephen Emmel - Shenoutes Literary Corpus - Corpus Scriptorum Christianorum Orientalium - Accademia Nazionale dei Lincei - Koptologe; Koptologie an der Westfälischen Wilhelms-Universität Münster current 93 william breeze stephen emmel david tibet baby dee birth canal blues


Stephen Lewis Emmel é professor de Coptologia na Westphalian Wilhelms–University of Muenster e no Instituto de Coptologia e Egiptologia do Cairo. Ele é considerado o coptologista mais influente de nossos tempos. David Tibet relata em seu site http://www.copticcat.com ter consultado Emmel por causa de seu interesse por tudo que é copta. Como consequência, Emmel aparece ao vivo como guitarrista da banda Current 93 de Tibet e participa da gravação de pelo menos um CD. Ambos estiveram presentes no Congresso de Coptologia no Cairo em 2008. Fotos também mostrando Breeze podem ser encontradas no site de Tibet. [49]



O Califado tentou em vão alistar os protagonistas da geração Beat americana, William S. Burroughs (1914–1997), cujos romances estão repletos de referências à magia, e Timothy Leary (1920–1996) que se autodenomina uma reencarnação de Crowley, como membros. Apesar de ter sido convidado por William Breeze por meio de Christopher Hyatt da Golden Dawn e com a Falcon Publication, Burroughs se recusa a se tornar um membro honorário do Califado. Leary responde de maneira igualmente desdenhosa. No entanto, é dito da organização rival da O.T.O., a IOT (Iluminados de Thanateros), que "William Burroughs [aliás Dahlfar] era absoluta e positivamente um membro da IOT - e que ele foi enterrado com seu Anel do Caos - ele era um 3º Grau (Iniciado) antes de morrer. Ele foi iniciado por Frater Corvus, Sor. Sonata e Frater Areon [...] os seguintes indivíduos também eram membros da IOT: Christopher Hyatt, Jason Black, Robert Anton Wilson." [50]

Hyatt foi iniciado no Califado por Lon DuQuette. Ele foi atraído por ele, sua mulher, e James Wasserman. Por fim, ele se juntou a ele por causa de seu amigo Israel Regardie, alguns anos depois de sua morte. Como lembra Hyatt: "eles queriam meu nome, meu dinheiro e minha influência... e eles conseguiram". Hyatt teve uma reunião no Areópago (ou seja, a reunião do VII°, o círculo interno que tem voz na Ordem). Em relação às últimas reuniões, eles nem pediram sua procuração. Hyatt deu seus arquivos ao Califado, como uma organização sem fins lucrativos, para que eles tivessem um lugar seguro após sua morte. Breeze os trocou por algum material de Crowley com um grupo da Golden Dawn e informou a Hyatt somente após o ocorrido, o que alimentou a raiva de Hyatt ainda mais, já que ele comprou uma coleção alemã de livros, vários outros itens para os arquivos, doou dezenas de milhares de dólares, estipêndios para escrever livros, ajudava no pagamento do aluguel, pagava processos judiciais, etc. Falcon e o Califado não aguentavam mais um ao outro. Falcon achava muito desagradável fazer negócios com eles e não conseguia tolerar os atrasos e as histórias em curso. Em fevereiro de 2003, Hyatt foi suspenso como Grande Inspetor Geral Soberano, bem como sua carta para iniciar no V°. Breeze fez tudo ao seu alcance para comprar os direitos da Falcon de volta; ele não queria um processo lá. Então, por volta de abril de 2003, eles concordaram em revender os direitos autorais e qualquer inventário que tivessem em mãos. Breeze deu a Falcon permissão quase total para citar quase qualquer coisa no futuro. Christopher Hyatt (*1943) morreu em 9 de fevereiro de 2008. Anteriormente, ele havia me falado sobre suas relações com o Califado: um artigo intitulado "Quem é Peter–R. Koenig?" [51]

Israel Regardie não se importava muito com nada sobre o Califado. No entanto, ele dava apoio e fornecia sugestões. McMurtry ofereceu-lhe o IX°, real e honorário, mas Regardie recusou, dizendo que ele poderia fazer mais bem por eles fora da Ordem do que na Ordem. Por outro lado, Breeze não queria Regardie no Califado, nem mesmo postumamente, pois como Crowley havia expulsado Regardie da O.T.O. Breeze considerava-o um traidor de Crowley e não gostava que ele tivesse psicologizado o profeta.



Em 1998 William Breeze organizou uma exposição malsucedida das pinturas de Crowley em Londres, em colaboração com Martin Starr e Kenneth Anger. No catálogo, entre outros textos estava a contribuição de Karl Nierendorf para o catálogo da igualmente malsucedida exposição de arte de Crowley em Berlim, 1931. Starr se entusiasma com a arte tanto quanto Crowley: "nisso ele é um deus desconhecido". [52] Os conhecedores de arte tiveram suas próprias impressões da arte Crowleyana em uma perspectiva um tanto diferente: uma gigantesca exposição de pinturas sobre o tema Traces du Sacré em Paris, maio de 2008, exibindo entre muitas outras imagens cinco obras de Crowley. Marco Pasi também está envolvido nesta exposição. O ex-membro do Califado, John Crow, relata como as pinturas de Crowley foram exibidas: "Fiquei desapontado com a forma como eles as exibiram. É uma obra pequena e pendurada bem no alto da parede. Quando perguntei a Alexandria, a curadora da assistência, ela primeiro disse que eles experimentavam a colocação... quando eu indiquei que o experimento deles tornava a peça menos visível, ela também notou que mais acima estava mais protegido. Parece que a reputação de 'menos que boa' de alguns dos fãs de Crowley causou algumas decisões de colocação. Uma pena. Acho que Marco também não gostou. Mais tarde, à noite, fomos para a exposição de Crowley e depois de passar alguns minutos olhando as pinturas, Marco levou o grupo a cada uma e deu uma discussão detalhada sobre a peça, sua história, o que Crowley escreveu sobre ela em seus diários, se Crowley mencionou o trabalho e outras influências. […] Depois de tudo isso, fomos a um restaurante para discutir a arte. Eu digo que discutimos, mas na realidade eu escutei principalmente a conversa entre Marco e os dois historiadores da arte. A primeira declaração foi do professor que afirmou algo para afetar que, se não fosse da formação de Crowley, a arte que ele fez não teria sentido; como arte, era muito ruim. Esta foi uma declaração forte e Marco não gostou, mas, mesmo assim, teve que admitir que faltava habilidade. Ainda assim, ele argumentou, isso era parte da abordagem de Crowley. Ao ver as imagens, apontei uma que lembrava um pouco as paisagens chinesas. O historiador da arte foi rápido em apontar que era porque Crowley carecia de ponto-de-perspectiva nas pinturas, assim como os chineses. No entanto, com o comentário dela, percebi um tom de antipatia, e seu comentário no restaurante confirmou isso. O aluno de doutorado também não gostou das pinturas em si, mas achou a história interessante." [53]



A internet oferece ao Califado a ferramenta e oportunidade de se aproximar publicamente de pessoas proeminentes totalmente independentes da O.T.O. (por exemplo, Daniel Ash, da Bauhaus) por meio de podcasts. Isso permite que o conhecido negador da AIDS, Harvey Bialy, membro do Gabinete do Califado, dê sua opinião.


A recusa em reconhecer qualquer conexão entre o HIV e a AIDS ou a própria existência da AIDS como tal é denominada "negação da AIDS". Os cientistas acusam os negadores da AIDS de ignorar os resultados atuais das pesquisas, citando falsamente ou mesmo inventando dados livremente e, na maioria das vezes, não terem nenhuma experiência clínica ou experimental com HIV/AIDS. As declarações dos negadores da AIDS são consideradas teorias de conspiração curiosas e perigosas porque encorajam os leigos a dispensar medidas de proteção contra a infecção pelo HIV e um argumento para recusar medicamentos que se mostraram eficientes. Numerosas pessoas foram infectadas e morreram como consequência. Particularmente na África (principalmente na África do Sul, onde aproximadamente um quinto da população adulta está infectada com o HIV), os negadores da AIDS são considerados co-responsáveis ​​pelas mortes relacionadas à AIDS de centenas de milhares de pessoas como consequência de sua influência sobre o governo de Mbeki (quando, em vez de medicamentos anti-retrovirais, as esposas contam que remédios como azeite de oliva, alho e beterraba eram recomendados). Bialy supostamente pertence aos cientistas que influenciaram o governo da África do Sul. Questionado se ele realmente colaborou como conselheiro dentro do Gabinete do Califado, ele respondeu: "eles realmente não precisam de conselhos, mas quando chamado eu respondo." [54] Aos críticos ele responde corajosamente: "TENHO UMA POSIÇÃO CONFORTÁVEL, SEGURA E MUITO DINHEIRO." [55]

Harvey Bialy HIV AIDS


Bylaws Ordo Templi Orientis Caliph Caliphat Cabinet 2004 Outer Head of the Order OHO Electing Ninth



Queda de Nome


Breeze em sua curta peça biográfica na coleção de ensaios de músicos famosos, "Arcana V", publicada por John Zorn: "William Breeze (b. Paris, 1955) é um violista, guitarrista, baixista, músico eletrônico, teórico da música e compositor de improvisação. Desde 1992, ele trabalhou como violista de estúdio e gravou e fez turnês como membro das bandas Psychic TV (1994–1996), Coil (1997–2004) e Current 93 (2005 – presente). Ainda menino, ganhou uma bolsa de estudos para a Engel School of Music em Orlando para estudar viola, harmonia e solfejo com Anne Bartlett e Joseph Kreines, mais tarde estudou com Alphonse Carlo no Rollins College e treinou como violista de orquestra e câmara. Ele frequentou uma série de faculdades e universidades antes de abandonar a música famoso pela improvisação em meados da década de 1970, enquanto estudante particular do músico do norte da Índia, Peter Row, do Conservatório de New England. Mudou-se para Nova York em 1978 onde tocou com o percussionista Angus Maclise (Theatre of Eternal Music, Velvet Underground) e o guitarrista Mark Slivka. Ele foi bibliógrafo e assistente de arquivo do pintor Larry Rivers em 1979 e 1980. No início dos anos 1980, ele foi executivo da mais antiga empresa de tipógrafos publicitários de Nova York, Cromwell, criando a Cromwell Graphics Systems Corp. para comercializar um disco universal de sucesso e tradutor de dados de seu projeto (cf. Seybold Reports). Em 1984, ele forneceu financiamento inicial para o selo artístico Mystic Fire Video e foi seu vice-presidente executivo até 1992. Seu design para a série de Bill Moyers "Joseph Campbell e o Poder do Mito" (Mystic Fire) ganhou o Prêmio Benjamin Franklin de design gráfico. Como um estudioso independente do cinema experimental americano, ele foi palestrante convidado na Universidade de Princeton e em festivais internacionais de cinema. Em 1985 ele se tornou o chefe internacional da Ordo Templi Orientis (O.T.O.), tendo o nome religioso de Hymenaeus Beta. Ele administra o patrimônio literário de Aleister Crowley e editou, projetou e publicou edições acadêmicas de muitas obras de Crowley." [56]

Breeze está em boa companhia. Mais autores da coleção: Gavin Bryars, Steve Coleman, Alvin Curran, Frank Denyer, Fred Frith, Peter Garland, Milford Graves, Jerry Hunt, Eyvind Kang, Frank London, Meredith Monk, Pauline Oliveros, Terry Riley, Trey Spruance, Greg Wall , Z'EV, Jeremy Fogel, Sharon Gannon, Larkin Grimm, Tim Hodgkinson, Jessika Kenney, William Kiesel, Yusef Lateef, Dary John, Mizelle Tisziji Muñoz, Mark Nauseef, Genesis Breyer P–Orridge, Adam Rudolph, David Chaim Smith, David Toop, Peter Lamborn Wilson.

A queda do nome de Richard Kaczynski é particularmente notável em seu "Perdurabo", CA 2010. A necessidade de legitimação parece tão extraordinária que seus créditos de quatro [!] páginas colocadas antes do texto real têm o ar de uma figura de proa de um barco. Os revisores deste trabalho são os mesmos suspeitos usuais habitualmente aparecendo em todos os produtos publicados com um academical stamp em qualquer coisa que ostente o nome Crowley: Marco Pasi, Martin Starr, Henrik Bogdan, David Tibet, Paul Feazey, Lon Milo DuQuette, Christopher S. Hyatt (postumamente, ele morreu em 2008!), Clive Harper e muitos mais. Os mencionados acima estão mais próximos de Crowley do que a objetividade científica deveria permitir. [57]

A tentativa de Stephen King de retratar William Breeze e Hymenaeus Beta como duas pessoas diferentes em sua reprodução da biografia de Crowley de P.R. Stephenson em 1930, "The Legend of Aleister Crowley" (NSW Austrália, 2007), na qual agradecimentos são oferecidos a Breeze e também a seu apelido, parece bizarro.

A Ordem Tifoniana de Kenneth Grant, que não mais se autodenominava O.T.O. depois de perder um caso no tribunal em Londres, concentra-se principalmente na obra de arte de Austin Osman Spare. A este respeito, Hendrik Bogdan pode ser distinguido dentro da esfera acadêmica, ele publica uma extensa bibliografia de Kenneth Grant e avalia a correspondência entre Crowley e David Curwen de 1944: " Brother Curwen, Brother Crowley". [58] É incrível em um sentido científico notar as tentativas de evitar trabalhos escritos novos e originais que não se originam de dentro do próprio círculo ocultista. Bogdan, por exemplo, em suas citações sobre o início da história da O.T.O., baseia-se em obras da década de 1970 ou apenas cita seus colegas do meio acadêmico oculto: o que já existe, apenas segue adiante.

Michael Staley publica principalmente novos escritos em sua extensa e importante revista "Starfire", que se move em círculos distantes do universo de Crowley. [59] Até agora, apenas dois dos livros de Grant foram publicados em alemão: "Die Nachtseite von Eden" e "Schattenkulte", ambos traduzidos por Ian Fries.

Michael Paul Bertiaux publicou seu próprio catálogo de arte opulenta de textos ocultos "Cartografia Vûdû" (London 2010) via Fulgur Press.


A Sombra do Triturador


Muitos grupos da O.T.O. se comportam cada vez mais como círculos de leitores hermenêuticos, onde cada letra do alfabeto, encontrada na esfera de influência de Crowley, é reciclada ou fragmentada cientificamente para sugerir um significado oculto. Pessoas que lidaram com ele apenas marginalmente são resgatadas das profundezas do esquecimento por meio de biografias como notificações fúnebres ideológicas. Como muitas dessas pessoas são geralmente obscuras e limitadas em seus campos, elas são ungidas e glorificadas além do reconhecimento, retratadas como grandes religiosos ou aceitas na Ordem postumamente.

Depois da pós-modernidade, nada além de reconstruções parecem permanecer, os mesmos princípios de vasculhar montes de sucata ou vendas de garagens parecem permanecer para as variantes mais conservadoras da O.T.O. Assim, seu ocultismo parece estar preso no ponto em que decolou para o mainstream por meio dos primeiros meios de comunicação de massa (jornais, rádio, guias de viagens, romances): na virada do século XX.




NOTAS DE REFERÊNCIA


[1] "tornar-se um Thelemita é uma rebelião clara contra sua educação católica", Claudia Kowalchyk diz sobre um membro, em: "A study of two 'deviant' religious groups: The Assemblies of God and the Ordo Templi Orientis", NY 1994, 285.
[2] A maioria dos Thelemitas sente, desde a infância, que são especiais e diferentes. Portanto, eles experimentam a percepção de Thelema como um desenvolvimento natural. "... a magia permitiu que ela revivesse emoções poderosas da infância de uma maneira que outras religiões não tinham sido capazes de fazer", TM Luhrmann: "Persuasions of the Witch's Craft", Cambridge 1989, 104. "Ela permite que o adulto recupere o sentido da criança de admiração e a sensação de que todas as coisas são possíveis", Kowalchyk, 290.
[3] Kowalchyk, 27.
[4] Breeze; por meio de Norbert Straet, carta, 11.3.1987. De acordo com a Theodor Reuss' Synopsis 1917.
[5] Formulário de inscrição.
[6] Straet, carta, 22.7.1987.
[7]ex-IX° K. D*** observou que "As mulheres pareciam receber [IX°] mais fácil do que os homens".
[8] Dave Evans: "The History of British Magick after Crowley", Oxford 2006, 80.
[9] anos atrás, em 22.4.1984, McMurtry iniciou Jerry Cornelius ao VIII°.
[10] Tais práticas já eram realizadas por Crowley, por exemplo, com seu tesoureiro George M. Cowie, reclamando em setembro de 1914 que "Parece bobo ser o VIII° [?] E não saber o que o VI° e o VII° são."
[11] "Magical Link" 5;3, publicado em Fevereiro de 1992, 1.
[12] Francis King: "The Secret Rituals of the O.T.O.", London 1973.
[13] "Cavaleiro (Dama) do Oriente e do Ocidente" e "Cavaleiro da Águia Vermelha". Na ausência do VI°, os chamados "Cavaleiros de Baphomet" assumiam os respectivos papéis durante os rituais. Esses cavaleiros - sob a orientação de Rusty Sporor - "juram defender diligentemente a honra do Califa", "Magickal Link" I; 2, Berkeley, fevereiro de 1981, sem indicação do número da página. "Isso foi concebido em uma viagem de carro de Salt Lake City para Berkeley no final dos anos 1970 por R.S. [Russell Sampsell, Jane Wolfe Lodge, Canadá ?] como guarda de honra para o Califa Hymenaeus Alpha da O.T.O. Fr. H.A. começou no meu templo/biblioteca em San Anselmo, fazendo de alguns membros cavaleiros da O.T.O. com minha espada, por sugestão de R.S. Alguns outros se juntaram, notavelmente Rusty Sporor que praticamente comandou a coisa depois que R.S. voltou para Edmonton. Por um tempo funcionou bem; mas Rusty tirou um ano sabático e J.Harris, ex-ToS [Templo de Set] e membro da O.T.O., assumiu a maior parte da correspondência. Janice foi assassinada por um agressor desconhecido em Los Angeles, quando ela saiu com seu carro para ir trabalhar pela manhã - aparentemente um ato aleatório, uma vez que nenhuma informação veio à tona sobre o autor do crime. O.T.B. praticamente desapareceu no início dos anos 1980. Rusty voltou de seu ano sabático em 1984ev e retomou a direção da O.T.B. Em parte devido às viagens de Rusty e de outros membros da O.T.B. para fazer iniciações da O.T.O. ao redor do mundo, a O.T.B. se espalhou pelos EUA e Europa, incluindo a Europa Oriental. [...] Com o tempo, comecei a notar relatórios de membros da O.T.B. aparecendo nos livretos de relatórios de iniciação da O.T.O., necessitando de uma carta ocasional de volta para avisar as pessoas que fizeram o relatório de que a O.T.B. não era uma questão de registro para a Grande Loja da O.T.O. Mais tarde, instâncias de membros da O.T.B. na Europa exigindo precidência em ocasiões da O.T.O. começaram a ocorrer, culminando em uma instância de um membro da O.T.B. na ex-Iugoslávia fazendo exigências pessoais de obediência a outros membros da O.T.O., incluindo favores sexuais e financeiros. Ele também era conhecido por reivindicações excessivas relacionadas à A.'. A.'. e graus na O.T.O., de modo que o problema não era exclusivamente de natureza da O.T.B. A O.T.O. cortou as relações formais com a O.T.B. em conseqüência desses problemas, e tenho ouvido pouco sobre isso desde a grande festa de Rusty em 1993," William Heidrick, 17.1.1996 em thelema93–l.
[14] Desde 1990, os novos juramentos dos rituais do Califado devem ser feitos diretamente a Breeze e David Scriven, o X° da América, "a pedido do O.H.O., Hymenaeus Beta e do Grande Mestre Sabazius" (página 15 do VII° ritual de Breeze, versão de 1997). Antes de 1996, o juramento dizia respeito apenas a Breeze (por exemplo, Terceiro Grau Rev. 4. 2B NY primavera de 1990), que naquela época se declara X° dos EUA em vez de O.H.O.
[15] James Graeb IX° e XI°, 21.9.85, transcrição online.
[16] Straet, carta de abril de 1988; até sua renúncia em 1.5.2000 Heidrick como Grande Tesoureiro Geral publica estatísticas anuais adicionais em seu "Boletim Informativo da Loja Thelema", um spin-off do "Magical Link". O sucessor de Heidrick, Vere Chappell, não publica mais estatísticas. "Vere Chappell (Frater SLQ) começou a estudar e praticar magia há mais de vinte anos, e se juntou à O.T.O. em 1989. Pouco depois, ele fundou o Acampamento LVX em Los Angeles (que eventualmente se tornou Loja LVX) e serviu como seu mestre por oito anos. Em 1997 foi nomeado Grande Tesoureiro Geral da Grande Loja dos EUA, cargo que ocupou até 2005, quando sucedeu a Bill Heidrick como Tesoureiro Geral da OTO em todo o mundo. Ele continua a servir a Grande Loja dos dos EUA como Grande Inspetor Geral Soberano e membro dos Comitês de Educação, Finanças e Planejamento Estratégico e, como Soberano Mais Sábio do Capítulo de Babalon em Los Angeles. Ele foi autorizado a iniciar o curso de KRE e conduziu várias iniciações na última década. Ele também é Bispo da Ecclesia Gnostica Catholica e desempenha o Missa Gnóstica mensal. Profissionalmente, o Sr. Chappell obteve seu MBA da Pepperdine University e é certificado em Planejamento e Gestão Financeira para Organizações Sem Fins Lucrativos pela California State University, Fullerton. Ele mora no sul da Califórnia com sua adorável esposa e sacerdotisa, Lita–Luise, e seus dois familiares felinos." http://kaaba.oto–usa.org/index.php?Option=com_content&task=view&id=11&Itemid=13
Em "Neshamah", 1; 2, março de 2008 (sem indicação do local de publicação) há uma contribuição científica de Chappel: "Findings from a Survey of O.T.O. Members". Em agosto de 2005, ele entrevistou 194 membros da ordem sobre os temas "Atitudes e religiosidade", "Experiência sexual" e "Orientação sexual" e chegou à conclusão: "que a sexualidade é uma parte integrante e importante da espiritualidade, é possível ser altamente religioso e sexualmente iluminado ao mesmo tempo", página 20.
[17] Conversa em Londres, 27.3.1993.
[18] billheidrick.com/tlc1993/tlc0493.htm
[19] Os ADVs pertencem a uma parte do serviço público da O.T.O., particularmente uma seção do programa do Ministério de Prisões da O.T.O. ADVs não são membros da O.T.O., mas indivíduos que estão na prisão e não podem pagar pela Associação Correspondente. Eles recebem serviços limitados normalmente fornecidos aos Associados Correspondentes (US$10 por ano para cobrir despesas de postagem, administrativas e algumas de impressão), sem custo. Principalmente, tais ADVs recebem uma prioridade mais alta do que outros associados correspondentes na correspondência (troca de cartas com perguntas e discussões), alguma ajuda no acesso à literatura religiosa na prisão (muitas vezes proibida pelas autoridades prisionais, a menos que alguma evidência seja fornecida de que a literatura é, de fato, religiosa), assistência limitada em questões religiosas (visitas do clero, aconselhamento e o direito de possuir objetos religiosos seguros) e, incidentalmente, eles têm um registro na O.T.O. para auxiliar na avaliação dos pedidos de adesão após a liberação e conclusão de qualquer período de liberdade condicional. Alguns crimes (abuso sexual infantil, estupro e alguns outros) estão excluídos deste programa. No entanto, os presidiários não são questionados sobre suas condenações por julgamento, a menos que eles forneçam essas informações. Muito raramente, esses serviços incluem visitas ministeriais em vigília de morte. Há alguns anos, um condenado foi atendido até o último dia antes de sua execução pelo clero da O.T.O./E.G.C., a seu próprio pedido. Ele estava no corredor da morte há mais de uma década, condenado por homicídio de um policial enquanto cometia um crime. O O Califado o excluiu por vários anos, mas quando ele mostrou sinais de contrição e uma atitude mais positiva, eles o incluíram no programa. Ele se manteve ocupado traduzindo os textos de Crowley para o latim como autodidata. O Ministério de Prisões da O.T.O. visa ajudar os indivíduos a chegarem a um acordo com sua situação, ajudando-os a mudar, corrigir seus erros e descobrir Thelema, confortando e instruindo aqueles que podem ter sido condenados injustamente e geralmente auxiliando a instituição na reabilitação. Cerca de 1 em cada 100 desses ADVs limpa suas vidas e acompanha seus interesses a ponto de ingressar na O.T.O. após o cumprimento da pena e da liberdade condicional. Entre 2002 e 2005, várias edições da "The Eucharist", uma revista apenas para membros condenados da O.T.O., foram publicadas em arquivos PDF. Um Ministério da O.T.O. em Oregon especialmente fundado para esse propósito cuida disso. Além do repertório usual de textos de Crowley, uma característica é um guia sobre os direitos dos prisioneiros em relação à sua filiação religiosa. Allen Greenfield deixa claro para as autoridades responsáveis ​​que a O.T.O. é uma organização de caridade, ou melhor, uma igreja e que, portanto, seus escritos devem ser tornados acessíveis aos presidiários, "The Eucharist" 2; 1, Portland, verão de 2003, 5.
[20] simbi.net/otonumpublic.htm. Extinto.
[21] ... "em 24 de maio de 1997, eu disse a David Scriven em sua própria sala de estar que achava que Bill Breeze era incompetente para ocupar o cargo de O.H.O. da O.T.O. No dia seguinte, 25 de maio de 1997, ele iniciou-me, com a ajuda do Soror Helena, à todas as três partes do VIIº O.T.O., e posteriormente me confiou a instalação dos Mestres de Loja, inspeção dos órgãos da O.T.O., autorização para iniciar várias vezes ao IVº/PI, KEW, Vº e aos graus KRE, assim como recentemente em maio de 2006, elogiou meu trabalho por escrito e me instalou como Soberano Mais Sábio do Capítulo de Santa Sofia, um cargo que ocupei até minha renúncia em fevereiro de 2006, tudo depois de ter dito a ele sobre minha percepção acerca da incompetência do Sr. Breeze. Em nenhum momento o Sr. Scriven ou o Sr. Breeze posteriormente indicaram para mim que minha objeção estavam desalinhadas - pelo contrário, o Sr. Scriven agiu como acima inúmeras vezes, e o Sr. Breeze subsequentemente me entrevistou e instalou-me como secretário de correspondência e escreveu uma série de notas laudatórias sobre meu trabalho." Allen H. Greenfield: "Inquisition in 21st Century America", 2006, versão impressa sem indicação do número da página ou local de publicação, online em https://b-oto.org/greenfield/inquisition.pdf
[22] neste e nos pontos seguintes Greenfield segue meus artigos "Ecstatic Creation of Culture" e "The McDonaldisation of Occulture", ambos online em inglês desde 1997/1998. "Muito do que ele diz vale a pena considerar, uma vez que você conheça esse contexto e esteja em guarda", Greenfield, tausirhasirim.livejournal.com/ 62136.html?thread=1120696#t1120696 21.8.2007. Mas Greenfield detecta diferenças: "As diferenças são (A) ele parece ter se apegado à O.T.O. desde o início, retrocedendo muitos anos - por razões desconhecidas; (B) Minha visão é de dentro como um iniciado - as coisas parecem diferentes dessa perspectiva - por essa razão, ela parece estar certa em muitos detalhes, errada em substância; (C) Eu critico do ponto de vista de quem ama a Obra essencial da Ordem - ela parece ter essa mesma Obra central - de fato, a Obra Central pode ser a fonte de toda a sua crítica," tausirhasirim.livejournal.com/50795.html?thread=817771#t817771
[23] mindspring.com/~hellfire/ bishop/statement.htm 6 de abril de 2006. Allen H. Greenfield novamente: "Inquisition in 21st Century America", 2006 via lulu.com. Este texto permanece online apenas por alguns dias. Teve que ser removido sob pressão do Califado, porque Greenfield cita grande parte de sua correspondência com a Alta Administração da ordem de forma extensa. Após a publicação de suas estatísticas de membros, Greenfield é expulso. O mesmo acontece com seu camarada de armas, John Crow, thelema.com/thoparchive/index.php?s= our+status+is+that+you+are+expelled. +This+status+does+not+in+any+way+inhibit+your+appeal+ to+the+Areopagus.&submit=Go . O texto de Greenfield está agora em b–oto.org/greenfield/inquisition.pdf
[24] James Wasserman/Ad Veritatem IX° para Allen Greenfield, 28.7.2006, b–oto.org/greenfield/inquisition.pdf, 39.
[25] de agora em diante Greenfield se concentra em suas sucessões provenientes de Michael Bertiaux e suas próprias teorias sobre OVNIs.
[26] Nada vem de sua ameaça de manter a posse de "assuntos sérios específicos e diversamente documentados, incluindo (mas não se limitando a) deturpação de rituais de iniciação; acessório para agressão por um gerente sênior da O.T.O., Inc. por um Mestre de Loja da mesma, mediante um membro da O.T.O. Inc. em propriedade de aluguel da O.T.O. Inc.; desvio de fundos pertencentes à O.T.O. Inc. por um funcionário sênior da mesma; ameaças de morte contra mim por um mestre de corpo da O.T.O. em exercício da mesma; agressão com um arma mortal contra minha pessoa por um gerente sênior da mesma, resultando em sangramento abundante; vários relatos feitos à mim de violações flagrantes da política de drogas da O.T.O. por membros seniores da O.T.O. no local e horário dos eventos da O.T.O.; conduta sexual grosseira, talvez constituindo estupro por um oficial sênior da Grande Loja de um mestre da OTO Inc. sobre a pessoa de minha ex-esposa, que ficou grávida e, subsequentemente, fez um aborto terapêutico; conduta sexual grosseira de um funcionário oficial sênior da O.T.O., Inc. sobre a mesma pessoa, verificada a mim pela vítima e posteriormente reconhecida a mim pessoalmente pelo referido funcionário sênior de forma 'apologética'," 1 de junho de 2007, tausirhasirim.livejournal.com/ 56984.html
[27] David Scriven para Greenfield, Julho 2006, publicado em Greenfield/Inquisition, b–oto.org/greenfield/ inquisition.pdf, 2006.
[28] Após um exame minucioso do blog de Crow, a Alta Administração da ordem encontrou três pontos de discórdia, pelos quais se sentiram indevidamente criticados. Dathan Biberstein, membro do Grande Tribunal de John Crow, 6.11.2006. Como em outros casos, o destino de Crow é decidido por inquisidores que ele não conhece. O mesmo aconteceu com o casal Rietti na Inglaterra.
A exemplo de Ben Fernee, o inquisidor do casal Rietti, prova que mesmo os próprios inquisidores não estão seguros de serem empurrados de suas cadeiras. Fernee também foi expulso do Califado em 1999.
Crow ao Grande Tribunal, 18.11.2006: "Questiono a legitimidade [de, sic] da investigação do Tribunal. Em vez disso, parece que as acusações foram elaboradas por um grupo de pessoas que vasculharam meu blog e seletivamente cortaram segmentos fora do contexto para apresentar um caso de retalhos contra mim e, em seguida, me julgaram culpado antes mesmo de abordar as questões comigo. Se essa é a versão da Justiça da Ordem, então a versão do Grande Tribunal é drasticamente diferente na prática do que se apresenta para os membros da Ordem."
Posteriormente, Crow estudou na Universidade de Amsterdã até 2008. Lá, o (ex?) membro do Califado Marco Pasi oferece cursos sobre "Esoterismo Ocidental desde o Iluminismo", parte dos quais tem um dia dedicado a "Aleister Crowley e o ocultismo posterior". Além disso, Pasi oferece cursos sobre "Misticismo e Esoterismo Ocidental" e "Trajetórias Ocultas", nos quais ele fala extensivamente sobre o esoterismo que supostamente influenciou Crowley como artista.
[29] "Todos os links para o site antigo devem ser removidos dos sites da O.T.O. imediatamente. Mestres de Corpos afiliados, façam disso uma prioridade, removendo esses links vocês mesmos ou garantindo que os webmasters o façam..." http://tausirhasirim.livejournal.com/ 51886.html?thread=828078#t828078
[30] "Agape" VIII; 3, Portland, 1 de novembro de 2006. Até agora, o termo "militar" só aparece no Liber 194 de Crowley em relação ao VI° e ao VII°: "O Sexto Grau é um corpo executivo ou militar e representa o poder temporal do Supremo e Santo Rei. Cada membro é responsável pela disciplina militar. Individualmente ou em conjunto com seus camaradas, cada Cavaleiro tem o voto de fazer cumprir as decisões da autoridade." "O Sétimo Grau é, na linguagem militar, o Grande Estado-Maior Geral do Exército do Sexto Grau. De seus membros, o Supremo e Santo Rei nomeia um Grande Conselho Supremo. [...] Todos os membros do Sétimo Grau viajam como Soberanos Grandes Inspetores Gerais da Ordem e relatam, por iniciativa própria, ao Rei Supremo e Santíssimo, quanto à condição de todas as Lojas e Capítulos; ao Conselho Supremo, em todos os assuntos da Segunda Tríade; e ao Colégio Eleitoral; no Terceiro."
[31] John Crow, 07 de Junho de 2007, http://thelema.com/thoparchive/archives/151
[32] Fr. Αληθέυω: "The Great Firewall of the O.T.O.", 15.3.2008, aletheuo.ath.cx/ essays/firewall.html
[33] http://en.wikipedia.org/ wiki/Richard_Kaczynski. “Seu interesse pelo reino místico começou cedo: 'Eu cresci na era de Star Trek e In Search Of', ele me diz. 'Monstros e OVNIs eram uma grande mania nos anos 70. Misture isso com Kung Fu de David Carradine, que eu costumava assistir na posição de lótus. O que faz uma criança de 7 ou 8 anos fazer isso? Anos depois, fui para a livraria de ocultismo. Peguei dois ou três livros e o livreiro recomendou (Crowley's) Magick in Theory and Practice'" http://blurt–online. com/features/view/706/, 13 de setembro de 2010.
[34] Masonic Renewal Committee of North America, 1998.
[35] 20 de Julho de 2008, http://richard–kaczyn.livejournal. com/196143.html . Kaczynski também escreve sobre "The Satanic Ritual Abuse Controversy: A Case of Groupthink" e sobre "Metafysical Belief Correlations in a Behaviorally Committed Sample", em "Neshama", edição 1; 1 de agosto de 2003 (sem indicação do local de publicação). "Neshama" é o folheto da Guilda de Psicologia da Ordo Templis Orientis, publicado esporadicamente.
[36] David Scriven, X° of America, 14.8.2008, sabazius–x.livejournal. com/11323.html
[37] Fr. Αληθέυω: "Bad Report, Inactivity, and Sabbaticals", 19.8.2008, aletheuo.ath. cx/essays/bad–report.html
[38] "Stellar Vision" II, sem indicação de data ou local de publicação (entre 1985 e 1988), 22.
[39] lashtal. com/nuke/UserInfo–Stilifo.phtml
[40] Murrow, um jornalista de TV envolvido na luta da mídia contra o senador John McCarthy nos anos 1950, serviu de modelo para o filme de Hollywood "Good Night And Good Luck", 2006, http://de.wikipedia. org/wiki/Good_Night,_and_Good_Luck
[41] Frater Stilifo: "Understanding Global Media in a Thelemic Context: Dealing with the Press in Theory and Practise", em: "Beauty and Strength – Proceedings of the Sixth Biennial National Ordo Templi Orientis Conference Salem, Massachusetts August 10–12.2007 e.v.", Riverside 2009, 16
[42] "A Special Publication of Agape", 21 de Junho 2007, pdf, 11 página, publicado por Past Ombudsman Frater Hrumachis.
[43] http://oto–usa.org/strategic_plan_IVxv.html Também em "Agape" 9;1, 1st May 2007.
[44] Greenfield, 27.9.2006, http://tausirhasirim. livejournal.com/46617.html. Relacionado: Andreas Huettl and Peter–R. König: "SATAN – Jünger, Jäger und Justiz", Grosspoesna 2006, p. 269, um excerto:

Huettl: Existem mais trabalhos científicos lidando com a O.T.O. e os Thelemitas?

PRK: Vou listar alguns títulos abreviados: Achim Otremba (ex-membro do Califado): "Magie in Deutschland" (1992), Joachim Schmidt (ex-membro de uma série de ordens, como, por exemplo, a Ordo Saturni), "Satanismus" que entrou em sua segunda edição, Christian Bouchet (ex-membro do Califado), publicou "Aleister Crowley" na década de 1980 (na Alemanha, também, esta tese se tornou uma publicação convencional), Manuela Kuehne, "Aleister Crowley, Satanista oder Mystiker? " (Marburg 1987, a Sra. Kuehne, junto com Georg Mackowiak foi ativa no desenvolvimento do Califado na Alemanha), Marco Pasi (ex-(?)Membro do Califado) na década de 1990: "Aleister Crowley e la tentazione della politica", e mais tarde em "La notion de magie chez Aleister Crowley", Bradfort Verter em 1997: "Dark Star Rising".
Existe o blog de Richard Kaczynski (membro do Califado) - ele se formou em 1993 com "The structure and correlates of metaphysical beliefs among a sample of behaviorally committed participants" - que se destaca com inúmeras publicações sobre Crowley e Thelema. Martin Starr vem à mente, um amigo próximo de William Breeze e líder de sua própria linha da A.'. A.'.. Ele era amigo de Marcelo Ramos Motta desde a juventude, cuja Sociedade Ordo Templis Orientis estava em desacordo com o Califado. Starr é um colecionador Crowleyano que tenta inserir seu profeta nas fileiras das publicações acadêmicas. Certamente, deve haver mais, mas ou eu não os possuo ou não consigo me lembrar deles agora. A maioria deles é de importância marginal para minha pesquisa, porque os autores falam apenas inglês e, portanto, se referem apenas a documentos e afiliações a pedidos no mundo anglófono. Como alguém poderia escrever uma história pertinente a O.T.O. sem entender alemão (ou francês, italiano e espanhol)? Acho que é significativo que a maioria dos estudos que conheço tenham sido escritos por membros ou ex-membros. As exceções: Kowalchyk e Verter. Você realmente acredita que qualquer coisa crítica em relação à religião deles pode ser esperada dessas pessoas? É apenas a implementação do princípio de Crowley: "O Método da Ciência, o Objetivo da Religião".
Manuela Kühne, Aleister Crowley, Satanist oder Mystiker?, Marburg 1987
Manuela Kühne, Aleister Crowley, Satanist oder Mystiker?, Marburg 1987



[45] MRW 2009, 4 (2): 176–206. O trabalho de Mayer é publicado em alemão sob o título "Arkane Welten. Biografien, Erfahrungen und Praktiken zeitgenössischer Magier", Würzburg 2008. Arndt Pippert e Federico Tolli, que passaram a ser conhecidos nos círculos das ordens de Saturno, eram dois de um total de 10 (ou 11?) entrevistados participantes deste estudo, que apesar de suas lacunas metodológicas tenta extrair informações relevantes sobre as escolas e práticas de magia.
[46] em seu blog, na postagem feita em 29.1.2010, http://richard–kaczyn.livejournal.com/2010/01/29/
[47] pelo menos em 2003 durante o noivado do Califado - na pessoa de Joseph Thiebes - com o projeto Seti ocupado com a busca por vida extraterrestre inteligente. SETI@Home equipa um radiotelescópio em Porto Rico com um receptor adicional para gravar sinais de rádio do espaço sideral. A avaliação da gigantesca massa de dados é terceirizada para os computadores da comunidade mundial do SETI@Home. Em 2003, o Califado havia se registrado como um "Clube". No entanto, em 2010 não há mais nenhuma entrada a respeito da O.T.O.
[48] Aleister Crowley: "The Drug and Other Stories", London 2010.
[49] copticcat.com/gallery/egypt/64, copticcat.com/gallery/ miscellaneous/64, e copticcat.com/news /88/64/ Thanks–to–you–all–for–London.
[50] ***, Email de 5 de Julho de 2010. Veja também ashejournal.com/index.php?id=164 and ashejournal.com/index.php?id=166
[51] "Peter – R. Koenig é um coletor de dados, às vezes chamado de coletor de dados, g.o.d. para abreviar. Ele gosta de resolver quebra-cabeças e, em particular, aquele vendido como cOTO," manuscrito Hyatt, 9 de maio de 2003.
[52] catálogo "An Old Master", London 1998, página 3.
[53] Crow, thelema.nu/archives/ 289#more–289, 30 de Junho 2008, website inativo.
[54] http://traffic. libsyn.com/wuelf2000/ Thelema_Now_Harvey_Bialy.mp3
[55] aidstruth.org /denialism/wordsofbialy. Letras maiúsculas no original.
[56] New York 2010, 440.
[57] Breeze torpedeia o livro de Kaczynski ao comentar sobre "Aleister Crowley The True Story" de Tobias Churton (Londres 2011): "Biografias anteriores de Crowley normalmente tiveram tiragens únicas porque não atraíram o mercado principal: o grande número de pessoas que têm um interesse genuíno na vida e nas ideias de Crowley." tobiaschurton. com/newproductions.htm
[58] ME 2010.
[59] starfirepublishing.co.uk/ e facebook.com/pages /London–United–Kingdom/ Starfire–Publishing/249935899164?ref=ts&__a=14/



© Peter-R. Koenig, Abril 2011.
Esta é uma versão resumida e traduzida, retirada de um sub-capítulo de Der O.T.O.-Phänomen RELOAD.
Tradução por Luiz Vieira, dezembro 2021.

English: Playgame of an O.T.O.–Fatamorgana — Statistics, Censorship, Name Dropping. 2011.
Traduction française: Jeu de rôle d'une O.T.O.–Fatamorgana.
Traduzione italiana: La versione play–game di un O.T.O.–Fatamorgana.
Tradução portuguesa: Versão Jogo de uma O.T.O.–Fatamorgana.


Traduções portuguesas

Peter-R. Koenig: Introdução à Ordo Templi Orientis.
P.R. Koenig: Os Espermo-Gnósticos e a Ordo Templi Orientis.
P.R. Koenig: Criação Extática de Cultura.
P.R. Koenig: A Aura do Fenômeno O.T.O.
P.R. Koenig: Carl Kellner Jamais um membro de qualquer O.T.O.
P.R. Koenig: Theodor Reuss: Avô da Sociedade Antroposófica?
Theodor Reuss: Programa De Construção E Princípios Orientados Dos Neocristãos Gnósticos O.T.O. 1920.
T. Reuss: I° Grau.
P.R. Koenig: Carl Willian Hansen – Dinamarca.
P.R. Koenig: The History of the O.T.O. in America.

Marcelo Ramos Motta: Ritual de Iniciação do Grau I O.T.O.
Marcelo R. Motta: Carta A Um Maçon.
  • Marcelo R. Motta: Lettre à un maçon brãsilien.
  • Marcelo R. Motta: Letter to a Brazilian Mason UNEXPURGATED.
  • Bibliographic Note and Addendum to "Letter to a Brazilian Mason by Marcelo Ramos Motta".
    Marcelo Ramos Motta to Karl Germer, July 2, 1954.
    Marcelo Ramos Motta about Paulo Coelho and others.
    Marcelo Ramos Motta: The Development of a Secret Society in America in the Years 1957-2000.

    P.R. Koenig: Uma O.T.O. no Brasil.
    Euclydes Lacerda de Almeida - Marcelo Ramos Motta - Kenneth Grant: Documentos 1966-1997.
    Marcelo Motta palavras com Euclydes Lacerda de Almeida, 18 de dezembro de 1973.
  • Translation of Marcelo Motta's tape to Euclydes Lacerda, dated 1973.
  • Euclydes Lacerda de Almeida: Marcelo Ramos Motta — Um Enigma.
    Claudia Canuto de Menezes: Conheci Marcelo Ramos Motta nos idos anos 70.
  • Claudia Canuto de Menezes: I met Marcelo Ramos Motta in the 70’s.
  • Euclydes Lacerda de Almeida: Emails to P.R. Koenig.
    Marcelo A.C. Santos: A Verdadeira História do "Califado" no Brasil.

    Kenneth Grant/Eugen Grosche: Manifesto da Ordem Interna "O.T.O." Orientis Britânia 1955.
    P.R. Koenig: Kenneth Grant e a O.T.O. Tifoniana.
    P.R. Koenig: Plano 93 do Espaço Exterior.
    Michael Staley: O.T.O. Tifoniana — Uma Breve História.
    Kenneth Grant: Concernente ao Culto de Lam.
    Michael Staley: Lam: O Portal.
    Michael Staley: Um Instrumento de Sucessão.
    Michael Staley: Ã Um Vento Ruim que Sopra ...
    Michael Staley: Lam Workshop.
    Simon Hinton: Sua totalidade na Mente.

    Fernando Liguori: Influência Tifoniana.
    Fernando Liguori: A Influência Tifoniana na O.T.O. Brasileira.
    Fernando Liguori: A Tradição Tifoniana.
    Fernando Liguori: Ritual da Estrela Nu-Isis.

    P.R. Koenig: In Nomine Demiurgi Saturni.
    P.R. Koenig: Saturno-Gnose: A Arte de Amar e Viver.
    Fraternitas Saturni: A apresentação solene do Anel de Loja.
    Walter Jantschik: Magia Sexual Licantrópica.
    Walter Jantschik: A Animação do GOTOS.
    Walter Jantschik: A Ordo Baphometis. Uma ordem mágica hermãtico-gnóstica.


    Michael Staley, 2003: "Não existe 'Typhonian O.T.O.' Brasileira; nem nada semelhante a isto. Ninguãm está autorizado a representá-la em nosso nome, ninguãm tem nossa benção. Todas e quaisquer alegações são fraudulentas."
  • Michael Staley, 2003: "There is no Brazilian 'Typhonian O.T.O.'; nor is there likely to be. No-one is authorised to act on our behalf, no-one has our blessing. All such claims are fraudulent."





  • Spermatophagy

  • Spermo–Gnostics
  • The Secrets.
  • The Correct Gnosticism: The ascetic roots of Gnosticism.
  • Smoke gets in your Aiwass, I and II.
  • Nosferatu's Baby.
  • Heinrich Tranker Baphomet Rosycross Em relação aos escritos antidemocráticos, racistas e misantrópicos: "A razão […] de certos aspectos de Thelema serem omitidos [de discussões públicas] indica o real problema em apresentá-la como uma religião e tentar fazer com que seja aceita por governos ou aprovada publicamente: Thelema está, no final das contas, em contraste com a sociedade preceptiva além de transgredi-la. Thelema rejeita a moral e os valores dela e age para transgredir e violar tais normas. Desde a inclusão de intoxicantes em rituais, passando pelo ponto de vista positivo em relação a sexualidade — que com freqüência é visto como incentivo à promiscuidade — aos aspectos pró-autoritários e Nietzscheneanos de Thelema, a sociedade preceptiva tem muito para rejeitar em Thelema e, reciprocamente, Thelema encoraja os seus simpatizantes a rejeitar muitos aspectos dessa sociedade." "Journal of Thelemic Studies", 1;2, 2008, pag. 40. Ver os Templários do Reich.



    Discussions on the Nature of the O.T.O. Phenomenon

  • Ecstatic Creation of Culture
      Deutsche Version: Ekstatische Erzeugung von Kultur [overdubbed version] — Die kommerzielle Plünderung der okkulten Leitfossilien. Version 2011.
      Tradução portuguesa: Criação Extática de Cultura.
  • The McDonaldisation of Occulture
      Deutsche Version: Die McDonaldisation der Okkultur — Das Internet im Spannungsfeld potentieller Schöpfung. Version 2011.
      По русски: Макдональдизация оккультуры.
  • Halo of Flies
  • Use of the Internet
  • Playgame of an O.T.O.-Fatamorgana: Statistics, Censorship, Name Dropping
      Traduction française: Jeu de rôle d'une O.T.O.-Fatamorgana.
      Traduzione italiana: La versione play-game di un O.T.O.-Fatamorgana
  • Gaps in the Script of Esotericism: Hypocrisy and Hypercrisis
  • Fetish, Self-Induction, Stigma and Rôleplay
      Traduction française: Fétiche, auto-induction, stigmatisation et jeu de rôle.
      Traduzione italiana: Il feticcio, l’auto-induzione, lo stigma, il gioco di ruolo.
      Tlumaczenie polskie: Fetysz. Rytualy. Resocjalizacja: Tozsamosc przez stygmat. Autoindukowana schizofrenia. Odgrywanie ról.
      По русски: Фетиш, самоиндукция, стигма и ролевая игра.
  • The Creative Power.
      Traduction française: Le pouvoir créateur.
      Traduse in romana: Putera Creatoare.
      По русски: Творческая Сила.
  • Saturn-Gnosis
  • Saturn's Art of Living and Loving
  • Sexmagic and the Fraternitas Saturni
  • Albin Grau Pacitius Fraternitas Saturni Saturn-Gnosis Nosferatu Pansophia




    Voltar para a página principal da O.T.O. Tifoniana    |    página de navegação    |    página principal    |    contato    |    O que existe de Novidade no site da O Fenômeno O.T.O.?

    Mais sobre isso em: Andreas Huettl e Peter-R. Koenig: Satan — Jünger, Jäger und Justiz





    Search Parareligion Website






     

           Reuss' Memphis Misraim Emblem

    LAM — Typhonian O.T.O.




    Secrets of the Rosicrucians, Templars and the Illuminati

    Secrets of the Rosicrucians, Templars and the Illuminati, Peter-Robert Koenig










    Clique aqui para voltar de onde você veio ou use esta Barra de Navegação Java:

    Memphis Misraim Carl Kellner Spermo-Gnostics The Early Years O.T.O. Rituals Ecclesia Gnostica Catholica Fraternitas Rosicruciana Antiqua Fraternitas Saturni Typhonian O.T.O. 'Caliphate' Pictures RealAudio and MP3 David Bowie Self Portrait Books on O.T.O. Deutsche Beiträge Charles Manson Illuminati